CPTM amplia bicicletários em estações de trens de SP

Apesar de poucas, existem outras medidas que favorecem o uso da bicicleta na capital paulista

Carolina Spillari, estadao.com.br

26 de julho de 2008 | 18h18

Apesar da timidez com que medidas pró-bicicletas são adotadas, existem algumas iniciativas que favorecem o uso de bicicletas, principalmente nas estações de trem. São quase 4 mil vagas para bicicletas em diversas estações de trem, contra apenas 100 do Metrô. Há também o Programa Ciclista Cidadão do Metrô em horários específicos somente aos sábados e domingos, como opção para o lazer. Nos dias úteis a integração fica a desejar no Metrô.   Veja também: Secretária supera medo e pedala para ir ao trabalho em SP   Nas estações de trem, mediante cadastro, é possível utilizar bicicletários gratuitos. A CPTM procura revitalizar, construir e fazer a integração. Hoje a Companhia oferece 3.850 vagas em 12 bicicletários. Destas, 250 estão em Itaim Paulista, outras 250 em Jardim Helena/Vila Mara, 65 em Caieiras e 250 na USP Leste. Há mais 200 em Comendador Ermelino, 90 em Pinheiros, 255 em Jurubatuba, além de 255 em Autódromo, 250 em Primavera-Interlagos. Grajaú tem 180, Itapevi, 70; e Mauá, 1.700.   Até o final do ano, antecipa o assessor da presidência da CPTM, José Alcalay, mais 16 bicicletários estão previstos. "Até o final do ano teremos 4.415 vagas". Conforme Alcalay, a Companhia faz uma pesquisa nas estações. Onde há tradição no uso de bicicleta, a empresa procura atender.   "É preciso haver uma política abrangente para a inclusão da bicicleta entre as alternativas para locomoção", afirma o presidente da EMTU, José Ignácio Siqueira de Almeida. O sistema público de transporte não recebe o investimento necessário ao longo dos anos, diz. "Sempre se privilegiou muito o automóvel que é insaciável".   Apesar disso a afirmativa é que há verbas e planejamento. Segundo Almeida o plano de expansão possui 17 bilhões de reais para 4 anos. "Nunca se fez uma inversão desse tamanho", reforça. De acordo com o presidente da EMTU todo o projeto de corredor já sai com previsão para o uso de bicicleta.   Campinas conta com 4 quilômetros de ciclovia, com bicicletário. Em São Bernardo, o terminal possui 40 vagas para bicicletas. Para a Baixada Santista a meta é construir 20 quilômetros de ciclovia. "No trecho entre São Paulo e Guarulhos prevê-se a bicicleta", adianta. O que falta é essa política ser aplicada também na cidade de São Paulo.   O Metrô, por sua vez, tem 100 vagas para bicicletas na Estação Guilhermina-Esperança. Já a Campanha Ciclista Cidadão ocorre nos trens e Metrô e visa facilitar o acesso aos parques. O ciclista pode carregar a bicicleta nos vagões. São permitidas quatro bicicletas por vez, no último vagão entre 15 e 20 horas nos sábados, e entre 7 e 20 horas aos domingos e feriados.

Tudo o que sabemos sobre:
bicicletascicloviasCPTMMetrô

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.