CPTM: Alckmin vê sabotagem em pane

Falha de 5h lotou a Linha 9-Esmeralda; segundo o governo, vândalo jogou, da Ponte do Morumbi, cabo de vassoura nos fios do ramal

BRUNO RIBEIRO, JULIANA DEODORO, MARIANA LENHARO, O Estado de S.Paulo

05 Janeiro 2013 | 02h01

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) justificou como "vandalismo ou sabotagem" uma pane de cinco horas ocorrida na manhã de ontem na Linha 9-Esmeralda, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), que cruza a Marginal do Pinheiros. Um trem que seguia em direção a Osasco se enroscou na rede elétrica aérea e precisou ser rebocado, novamente superlotando as estações.

A pane começou às 4h40 e só terminou às 9h30. Quase meio milhão de pessoas usam a linha todos os dias. Na versão do governador, alguém conseguiu arremessar, da Ponte do Morumbi, um cabo de vassoura em direção aos trilhos. Quando o trem passou, o pantógrafo - espécie de "garfo" que conecta o trem à rede - se enroscou nos fios, causando a pane.

Alckmin exibiu fotos dos trilhos, com os cabos de vassoura no chão, durante evento na manhã de ontem na zona sul. "Vejam aqui: madeira, cabo de vassoura, tudo em cima da linha. Foi destruído o sistema. É óbvio que o trem, por segurança, para. Isso não é geração espontânea: ou é vandalismo ou sabotagem", disse. "Infelizmente, isso não foi ocasionado por falha nem do trem, nem do sistema, nem da rede elétrica."

As declarações foram criticadas por representantes de funcionários da CPTM. "Foram 156 panes na CPTM no ano passado, uma a cada dois dias. Já fizeram acusações de sabotagem antes, mas nunca comprovaram nada. Se desta vez foi sabotagem, no mínimo mostra a fragilidade da rede", diz Everson Crazeiro, presidente do Sindicato dos Ferroviários da Zona Sorocabana.

Na tarde de ontem, um blog de um funcionário da companhia publicou um relatório interno da CPTM sobre a pane. O texto diz que o pantógrafo se enroscou na fiação - uma falha que já aconteceu em outras situações - e não cita os cabos de vassoura.

A CPTM diz, em nota, que o relatório apenas descreve a ocorrência, "sem a necessidade de constar a conclusão dos técnicos sobre o fato". A nota diz que o áudio entre o maquinista do trem acidentado e a central de controle, na hora do acidente, "aponta a existência de um objeto na rede aérea que se chocou com trem". Tanto o trem quanto a rede aérea naquele ponto são novos, ainda segundo a nota.

Um inquérito foi aberto no Departamento Estadual de Investigações Criminais (DEIC). Foram recolhidos dois pedaços de cabo de vassoura, amarrados a um pedaço de fio marrom. No local, não há câmeras de vigilância para ajudar a investigação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.