WERTHER SANTANA/ESTADão
WERTHER SANTANA/ESTADão

CPI pede auditoria externa nas contas do Teatro Municipal

Pedido está em análise pela Procuradoria da Câmara Municipal; vereadores paulistanos querem ter acesso a contratos e contas

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2016 | 07h00

SÃO PAULO - Integrantes da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Câmara Municipal, responsável por investigar irregularidades que resultaram no desvio de R$ 15 milhões do Teatro Municipal, reivindicam a contratação de uma auditoria externa para avaliar as contas do órgão. A solicitação está em análise pela Procuradoria, para depois submetê-la à deliberação da Mesa Diretora. A resposta deve ser dada no início de agosto.

A auditoria independente é considerada necessária para que os contratos e pagamentos realizados pelo Teatro Municipal passem a ser de conhecimento público. "Verificando o site municipal da Transparência, detectamos que muitos contratos não estão publicados, como o do maestro John Neschling (diretor artístico do teatro e também investigado por participação no esquema). Nós queremos saber por que essas informações estão escondidas", diz Ricardo Nunes (PMDB).

Para Salomão Pereira (PSDB), a análise de uma empresa isenta, sem vínculo político, é importante ainda para dar respaldo ao trabalho da CPI. "Nós estamos trabalhando aqui com documentos. E quanto mais documentos tivermos, melhor", afirma.

Segundo a Presidência da Câmara, sob o comando atual de Antonio Donato (PT), todas as comissões podem fazer pedidos de consultoria externa para auxiliar e complementar os trabalhos legislativos. Os pedidos, quando autorizados pela Mesa Diretora, são pagos pelo orçamento geral da Casa. 

A CPI só retomará os trabalhos em agosto, após o recesso parlamentar de julho. Na próxima reunião, deverão ser ouvidos o maestro Neschling e o ex-secretário municipal da Cultura, Juca Ferreira.

Desvios. Investigação conjunta do Ministério Público Estadual e da Controladoria-Geral do Município, revelada no ano passado pelo Estado, indica a existência de um esquema de corrupção que já teria desviado ao menos R$ 15 milhões dos cofres públicos, a partir de contratos irregulares firmados pela Fundação Teatro Municipal durante a gestão de José Luiz Herencia, entre 2013 e 2015. 

De acordo com a investigação, há suspeita de que contratos firmados por Herencia foram superfaturados de forma proposital. O ex-diretor da fundação teria ficado com R$ 6 milhões desviados da entidade - parte dos bens adquiridos com a corrupção estaria registrada em nome da mãe do ex-diretor e de sua ex-namorada.

Com o andamento das investigações e seu afastamento do cargo - por determinação do prefeito Haddad -, Herencia confessou os crimes e firmou deleção premiada com o Ministério Público, na qual afirma que participavam do esquema também o secretário municipal de Comunicação, Nunzio Briguglio Filho, o maestro John Neschling, que foi diretor artístico durante a gestão de Herencia, e William Nacked, ex-diretor geral do Instituto Brasileiro de Gestão Cultural. Exceto Herencia, os demais envolvidos negam as acusações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.