Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Covas quer zerar em até três meses fila de 100 mil pessoas para exames preventivos de câncer

Programa Corujão do Câncer começa nesta quinta-feira, 23, com exames de colonoscopia; prefeito de SP faz tratamento contra um câncer

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2020 | 14h55

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), lançou nesta terça-feira, 21, o Programa Corujão do Câncer, que prevê atendimento a pacientes com câncer de estômago, colorretal, tireoide e próstata. Atualmente, 100 mil pessoas aguardam pela realização de exames na capital.

Em entrevista, Covas (PSDB) afirma que os pacientes precisam ter acesso mais rápido ao tratamento e realização de exames oncológicos, assim como ele teve.

"Todo mundo acompanhou a história no fim do ano passado. Em uma quarta-feira eu me internei para tratar uma erisipela. Na quinta-feira, descobri que tinha virado uma trombose. Na sexta-feira, que havia uma embolia por conta desse quatro. No sábado, descobri que havia um tumor. No domingo, eu já sabia qual era o tumor e a extensão dele. Na terça-feira, eu comecei a quimioterapia. É inaceitável que o prefeito, que tem condições de pagar plano de saúde, tenha esse tipo de agilidade, e a população, que não tem condição de pagar plano de saúde, tenha que esperar dias para ter acesso ao tratamento", disse Covas.

Na primeira fase, que começa na quinta-feira, 23, serão ofertadas 2,3 mil vagas para exames de colonoscopia voltados a pacientes com idade acima de 65 anos, para detecção de câncer do intestino. A fila de espera do exame, para esse público, chega a 5 mil pessoas. Na capital paulista, somente não há fila de espera para  oncologia infantil, segundo a Prefeitura.

"Nossa meta é zerar a fila de espera em três meses. A colonoscopia será feita em cinco hospitais: Tatuapé, Ermelino Matarazzo, Campo Limpo, Jabaquara e Mooca", afirmou Edson Aparecido, secretário municipal da Saúde. "Vamos acrescentar 390 vagas às 11.040 vagas que temos anualmente para o tratamento dessas especialidades nos hospitais particulares parceiros", afirmou Aparecido. Hoje, 482 pessoas aguardam na fila de espera para a realização de novos exames para iniciar o tratamento.

 A segunda fase do Programa Corujão do Câncer, que começará em março, dará prioridade para pacientes com câncer de pele, ginecológico, hematológico, neurológico, pneumológico, oftalmológico e pediátrico. Serão ofertadas 279 vagas para tratamentos nos hospitais parceiros.

Também será maior a oferta de outros exames, como ecocardiograma, desintometria óssea, ultrassonografia mamária, endoscopia e colonoscopia. Com o programa, o número de exames passará de 41.764 para 70.953. O tempo de espera é de 43 dias para a realização desses exames, que juntos tem fila de espera de 100 mil pessoas. "Em três meses, a gente zera a fila com relação a esses exames", disse o secretário.

O Hospital A.C. Camargo, Instituto de Câncer Dr. Arnaldo (CAVC), Hospital Municipal Dr. Gilson de Cássia Marques de Carvalho - Vila Santa Catarina - administrado pela Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein e o Hospital Sírio Libanês participarão do programa por um período estimado entre dois e cinco anos. O custo mensal para o Município com cada paciente é de R$ 26 mil. O investimento total do programa é de R$ 15 milhões.

Em 2019, o Município de São Paulo atendeu 10.839 pessoas com câncer.

Tratamento 

O prefeito Bruno Covas será internado na noite desta terça-feira, 21, no Hospital Sírio Libanês, no centro da capital paulista, para a realização da sétima sessão de químioterapia. Ele luta contra um câncer desde outubro de 2019 quando foi diagnosticado com a doença.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.