TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Covas lança programa para regularizar camelôs e reforça equipe de fiscalização

Parte dos ambulantes acredita que permissão temporária dará mais segurança ao trabalho, mas outra diz não ver benefício suficiente para sair da informalidade

Felipe Resk, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2019 | 21h28

Correções: 02/07/2019 | 12h13

SÃO PAULO - Com objetivo de legalizar cerca de 45 mil comerciantes de rua em São Paulo, a gestão Bruno Covas (PSDB) anunciou, nesta segunda-feira, 1º, programa para acelerar a regularização de ambulantes na cidade, mas também pretende aumentar o número de equipes que fiscalizam os espaços públicos. A medida divide os ambulantes. Enquanto parte acredita que dará mais segurança no trabalho, outra diz não ver benefício suficiente para sair da informalidade. 

Batizado de “Tô Legal”, o programa da Prefeitura prevê emitir autorizações temporárias de trabalho, para no máximo 90 dias, com o processo feito pela internet. Antes, só poderia exercer atividade nas ruas quem tivesse Termo de Permissão de Uso (TPU), renovado todos os anos em cada subprefeitura. Hoje, há menos de 7 mil TPUs regulares, diz a Prefeitura.

“Ou seja: grande parte deles (comerciantes de rua) está vivendo na ilegalidade e, claro, alimentando, muitas vezes, a indústria da corrupção”, disse Covas. Para o prefeito, o aumento do número de ambulantes na capital é fruto da crise econômica no Brasil e do desemprego.

O programa inclui de espaços menores, como tabuleiros para vender café e bolo, a tendas equipadas com cadeiras. Também pode emitir licenças para bancas de flor, food-trucks, valets e até equipamentos de compartilhamento de bicicleta.

Conforme a Prefeitura, cerca de 70% da área da cidade está autorizada a receber o comércio, incluindo proximidades de escolas, terminais de ônibus e estações do Metrô. Outros locais foram excluídos por já estarem saturados (Brás, 25 de Março e Mercado Municipal) ou por proibições legais (entorno de hospital ou entrada de parque, por exemplo).

Segundo o secretário municipal das Subprefeituras, Alexandre Modonezi, o sistema só permitirá um ambulante por quadra. “Caso haja problemas, aí vamos fechando a cidade”, disse. 

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
'Vender dificuldades é a forma que se tem para criar facilidades. O maior ganho, com esse sistema, é a redução da corrupção.'
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Bruno Covas, PREFEITO DE SÃO PAULO

Para se regularizar, o interessado deverá preencher cadastro no site, informar atividade específica, procurar no mapa os pontos disponíveis e depois pagar pela autorização. Com isso, a Prefeitura estima reduzir o prazo para emitir licença de 130 dias, na média atual, para 4 dias.

O valor é calculado com base na quantidade de dias (até 90), no espaço ocupado (em m²) e na área da cidade (o valor do m² do bairro de acordo com os cálculos da Prefeitura). Por isso, regiões nobres tendem a ser mais caras. Uma simulação feita com o prazo máximo em Sapopemba, na zona leste, aponta custo de R$ 345,80. Já na Avenida Paulista, chega a R$ 1 mil.

Ao fim do prazo, o pagamento deverá ser feito de novo. Se o espaço já tiver sido ocupado por outro vendedor, o ambulante terá de trocar de área. “Isso faz com que não privatize”, afirmou o secretário.

Fiscalização

A autorização pela internet usará um QR Code (código digital) para o ambulante, que pode ser lido por fiscais da subprefeitura. “Estamos contratando 100 equipes novas de ‘rapa’ na cidade, que vão ampliar bastante a fiscalização”, disse Modonezi. “Queremos trazer essas pessoas para o trabalho legal, mas ao mesmo tempo não perder o controle da cidade.”

Na tarde desta segunda, mais de 30 bancas de artesãos e vendedores se espalhavam pela Paulista. “A ideia de organizar seria legal, mas eu não vou nem tentar (regularizar)”, disse o ambulante Josenilton Santos, de 33 anos. “Hoje mesmo não vendi nada. Às vezes, não dá R$ 1 mil por mês, como vou pagar taxa?”

Em uma espécie de carrocinha, o ambulante Marcleudo Lopes, de 42, vende salgadinho e refrigerante na saída da Estação Barra Funda, zona oeste, há 15 anos. “Se for até uns R$ 400, dá para pagar. Melhor do que perder mercadoria para o ‘rapa’, como já aconteceu”, disse. “É uma boa ideia, porque dá mais segurança para a gente.”

Correções
02/07/2019 | 12h13

Diferente do informado inicialmente, a frase “Estamos contratando 100 equipes novas de ‘rapa’ na cidade, que vão ampliar bastante a fiscalização” foi dita pelo secretário Alexandre Modonezi, e não pelo prefeito Bruno Covas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.