Bruno Ribeiro/ESTADÃO
Bruno Ribeiro/ESTADÃO

Covas diz que irá recapear Marginal do Pinheiros enquanto viaduto ficar interditado

Prefeitura ainda não consegue estimar prazo para a liberação da estrutura que se rompeu na semana passada

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

19 de novembro de 2018 | 17h56

SÃO PAULO - Durante vistoria realizada na tarde desta segunda-feira, 19, no trecho da Marginal do Pinheiros interditado por causa da quebra de parte de uma das estruturas de sustentação do viaduto da via, que passar por cima de uma linha de trem da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), afirmou que iria aproveitar o período de interdição para recapear a pista expressa. A Prefeiutura, entretanto, ainda não sabe estimar quando informará qual será o prazo para reabrir a via. 

"A gente já havia pensado nisso (recapear a marginal) mas sabia da dificuldade que seria fazer uma obra na Marginal do Pinheiros. Então vamos aproveitar esse dias e fazer o recap (recapeamento) dos trechos que precisam de recap", disse Covas, ao afirmar que determinou à Secretaria de Coordenação das Subprefeituras que execute o recapeamento. 

A Prefeitura está instalando dez estacas de sustentação na seção do viaduto que se danificou para garantir a sustentação da estrutura. Duas delas já foram instaladas, e a terceira está sendo fixada ao solo nesta segunda. Após isso, por ora, a Prefeitura usará macacos hidráulicos para montar um pilar de sustentação provisório, no pilar que se rompeu e causou o dano na via. Só após isso é que será definida como será a obra de reparo e quanto tempo ela deve durar.

O secretário de Obras, Vitor Aly, informou que a Prefeitura ainda aguarda os projetos originais do viaduto, construído pelo governo do Estado na década de 1970, para auxiliar na elaboração do plano de reparo definitivo. "Sem isso, vamos ter de reconstruir o viaduto", afirmou. 

Notícias relacionadas:

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.