Corrida de trote volta a SP

Disputas ocorrem na pista do Parque do Trote, que entre 1950 e 1970 era ocupado por jóqueis e cavalos

Ana Bizzotto, O Estado de S.Paulo

10 Setembro 2010 | 00h00

 

Populares nas décadas de 50, 60 e 70, as corridas oficiais de trote não ocorrem na capital desde 2003. Em 2005, a área onde eram feitas na Vila Guilherme, zona leste, foi desapropriada e transformada no Parque do Trote. Neste mês, a pista que desde então se tornou espaço para caminhada e ciclismo voltará a ser ocupada pelo tradicional páreo entre os dias 10 e 19 no XIV Revelando São Paulo - Festival da Cultura Paulista.

 

Veja também:

mais imagens Galeria de fotos

 

Realizado por 13 anos no Parque da Água Branca, zona oeste, o evento foi transferido para o Parque do Trote neste ano por causa das reformas no endereço original. Além de resgatar a tradição do trote, a mudança proporcionará a ampliação do evento, que ocupará a área do parque e os dois pavilhões do Mart Center, no terreno ao lado, onde o Espaço Tropeiro reunirá a culinária tradicional e 300 animais do interior do Estado em um espaço quatro vezes maior - 17 mil m².

 

O estacionamento também terá mais vagas: ao todo, 1.700. "Temos certeza de que essa ida para a Vila Guilherme vai significar um grande crescimento para o evento", afirma o diretor cultural do festival, Toninho Macedo. A programação terá 300 atrações programadas e a expectativa da organização é receber 1,2 milhão de pessoas nos dez dias.

 

A corrida de trote será apresentada por seus protagonistas: jockeys que participavam dos páreos ou acompanhavam a performance dos pais voltarão a percorrer a pista de 900 metros. As apresentações serão organizadas pela Sociedade Paulista do Trote (SPT), que promovia as corridas e administrava a área até a sua desapropriação. Fundada em 1944, a entidade tem hoje sede administrativa no Tatuapé, zona leste, e treina cavalos em cidades do interior.

 

Alfredo Basílio Neto, presidente da SPT, participava das corridas, assim como seu pai. O avô não corria, mas cuidava dos cavalos e foi um dos pioneiros da modalidade. Já o irmão de Neto trabalhou na montagem de páreos. "Somos a terceira geração que trabalha com a raça de trote no País. Corri dos 16 anos até o trote terminar em São Paulo", conta Neto. "Será muito emocionante voltar à pista. Não vamos para ganhar a corrida, mas para fazer um espetáculo, é esse o intuito."

 

Origem. O trote foi introduzido na cidade nos anos 40 por imigrantes que trabalhavam no comércio e usavam carroças para buscar produtos no mercado. "Eles iam e voltavam em bandos, faziam os animais disputarem corridas e apostavam sacas de ração", relata Neto. Segundo ele, a pista do então hipódromo da Vila Guilherme era a única oficial da modalidade na América Latina. Hoje, restam poucos criadores de cavalos trotadores. "Depois da desapropriação, os grandes criadores acabaram perdendo o interesse porque acharam que depois que saísse do parque do trote, acabaria."

 

Também são poucos os fabricantes do sulky, estrutura acoplada ao cavalo feita especialmente para o trote. Mas pelo menos um deles garante estar longe de largar o ofício: Carlos Alberto Lucas, de 52 anos, é conhecido como Barba e fabrica em sua oficina ao menos um por mês, período em que também produz cerca de oito charretes e reforma cerca de sete equipamentos. Há 15 anos no ramo, ele tem só um funcionário e trabalha de forma artesanal, montando a estrutura de madeira e ferro fundido à mão. Durante o evento, ele vai montar um sulky ao vivo.

 

O gosto pelo ofício surgiu da paixão pelos cavalos e peregrinações: Barba já organizou nove romarias de charreteiros da Vila Formosa, na zona leste, onde fica sua casa e a oficina, até Aparecida do Norte. Além das romarias, ele também participava das corridas de trote - seu filho era o jockey e ele cuidava da égua campeã por duas vezes.

 

Com o fim das corridas de trote na capital, Barba continua participando, agora como espectador, das festas, encontros e corridas não oficiais promovidos em cidades como Indaiatuba e Campinas. "É um ponto de encontro, você negocia vendas e reformas, vê todos os amigos e se diverte bastante", explica ele. "Mas a turma está torcendo para voltar a ter uma pista oficial aqui em São Paulo. Ficamos sem lugar para trabalhar os animais."

 

Encontro de romeiros. Além das corridas de trote, o Revelando São Paulo terá outras atrações que resgatam tradições culturais paulistas. Cerca de 40 carros de boi enfeitados com flores, conhecidos como charolas, circularão diariamente pelo parque. O encontro de romeiros, marcado para dia 19, reunirá cerca de 200 animais, de vinte romarias do estado.

 

A concentração do encontro, que encerra o festival, será às oito horas da manhã no Largo da Matriz, na Freguesia do Ó, zona norte. "O objetivo é mostrar aos paulistanos a tradição católica da romaria, temos romarias quase centenárias. É uma confraternização muito bonita, vale a pena ser vista", diz o coordenador do encontro, Wladimir Agmont.

 

O parque. Na gestão de Jânio Quadros (1986-1989), começou a ser discutida a desapropriação do terreno ocupado pela Sociedade Paulista de Trote para transformá-lo em parque público, o que só ocorreu em 2005. O Parque do Trote, inaugurado em 2006, é tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp). As intervenções na área são orientadas pelo Departamento do Patrimônio Histórico (DPH) e já passaram por duas fases de obras.

 

A terceira consiste na restauração das edificações da área e também na elaboração e implantação de projeto paisagístico. Segundo a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, o estudo e o projeto para a restauração, encomendado pelo DPH, devem ser finalizados até outubro. O projeto servirá como diretriz para desenvolver o projeto paisagístico do parque. A previsão da secretaria é de que as obras durem cerca de um ano, a partir da data de início.

Serviço. 14º REVELANDO SÃO PAULO - FESTIVAL DA CULTURA TRADICIONAL: DE 10 A 19/9, DAS 9H ÀS 22H. PARQUE VILA GUILHERME/TROTE E MART CENTER - AV. NADIR DIAS DE FIGUEIREDO S/Nº, VILA GUILHERME. GRÁTIS.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.