Córrego do Ipiranga só terá obra no final de 2011

O histórico Córrego do Ipiranga, em seus 9,5 km de extensão, recebe enorme carga de esgoto in natura de vários bairros da capital: Ipiranga, Vila Mariana, Saúde, Bosque da Saúde, Cursino, Jabaquara e Americanópolis. E a situação deve continuar assim até o final de 2011, quando devem começar as obras da Sabesp do Projeto Tietê Fase 3, que inclui retirar o esgoto e fazer a ligação em coletor tronco para evitar o despejo da sujeira.

Rodrigo Burgarelli e Eduardo Reina, O Estado de S.Paulo

07 de julho de 2010 | 00h00

De acordo com a secretária de Estado de Saneamento e Energia, Dilma Pena, as obras de contenção das margens do córrego ainda não estão concluídas pela Prefeitura e é preciso terminar essa etapa. "Será preciso esperar até 2011", afirmou.

"Ele está degradado há muito tempo. É muita sujeira para pouco rio", diz o agente artístico Attiliano Corrêa, morador da Aclimação há cerca de 50 anos.

O comerciante Valdir, que preferiu não informar o sobrenome, é cético em relação aos planos de recuperação. Segundo ele, a rede de esgoto de seu bar - que fica a poucos metros do córrego - vive entupida. "Essa rede sempre dá problemas. Não acredito que vão resolver tão fácil assim."

O comerciante Cláudio Chiamarelli Júnior, morador do Ipiranga há 35 anos, concorda. "As obras começam e não terminam", diz. Ele cita uma obra iniciada há dois anos na Avenida Ricardo Jafet, por onde passa o córrego. "Uma chuva derrubou a mureta de contenção e começaram o conserto. Mas já tem quatro meses que não vejo nenhum operário trabalhando."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.