Corregedoria prende PMs por morte de irmãos em São Paulo

Os dois soldados presos fazem parte do 18º Batalhão da Polícia Militar, onde há suspeita de grupo de extermínio

da Redação,

28 de fevereiro de 2008 | 13h58

Foram presos na manhã desta quinta-feira, 28, os soldados Rogério Alberto Sol Junior e Robson Costa Oliveira, ambos do 18º Batalhão da Polícia Militar. Eles são acusados de se aproveitar dos ataques do Primeiro Comando da Capital para assassinar o soldado Odair José Lorenzi e a irmã dele, Rita de Cássia. O pedido de prisão preventiva deles foi decretado na quarta-feira, pelo 2º Tribunal do Júri de São Paulo. As vítimas foram mortas em uma emboscada em frente de casa, na Vila Nova Cachoeirinha, zona norte, em 12 de julho de 2006. Para os investigadores, o crime ocorreu por causa da disputa entre policiais por um bico como segurança de um bingo. A prisão preventiva dos policiais foi pedida pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) na semana passada, depois da conclusão do inquérito. Até a noite de quarta, os mandados de prisão ainda não haviam sido cumpridos. Eles alegam inocência. Na época do crime, os dois PMs acusados disseram que haviam sido vítimas de um ataque do PCC, pouco antes do atentado aos Lorenzi. Na noite do crime, Lorenzi estava em casa quando foi chamado no portão e foi baleado. Sua irmã, que dormia, acordou com os disparos, abriu a janela e foi morta. Os investigadores descobriram que havia uma disputa entre os PMs sobre quem faria a segurança de um bingo na zona norte - cada dia de trabalho rendia R$ 100. (Com informações de Marcelo Godoy, de O Estado de S. Paulo)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.