Corregedoria da PM investiga vídeo com morte de assaltantes

Policiais disseram que criminosos tinham atirado, provocando a reação; vídeo mostra que não houve tiroteio

Andressa Zanandrea e Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2008 | 20h17

A Corregedoria da Polícia Militar vai investigar a possível execução de dois ladrões, apanhados em flagrante por policiais militares quando tentavam fugir com R$ 500 e telefones celulares roubados dos freqüentadores de uma academia de tênis na Vila Leopoldina. A principal prova contra os policiais são imagens feitas por um cinegrafista amador e exibidas na noite desta sexta-feira, 4, pela TV Bandeirantes. Nelas, um dos ladrões põe as mãos para fora da janela do carro quando os policiais se aproximam, até que um PM encosta a arma em sua cabeça. A câmera treme e, em seguida, vê-se o bandido desfalecido no chão. Ao contrário da versão apresentada pelos policiais, os ladrões não desceram atirando do carro em que estavam, um Corolla roubado. A ação dos bandidos começou por volta das 21 horas, quando três criminosos invadiram a Vezzani Escola de Tênis, na Avenida Mofarrej. De acordo com a polícia, seis pessoas foram rendidas. Eles teriam, inclusive, ameaçado atirar contra uma mulher. Um dos freqüentadores da escola telefonou para uma base da Polícia Militar assim que viu a chegada dos ladrões. Eles agiram rapidamente: pegaram dinheiro, celulares e outros pertences das vítimas e fugiram no carro de um delas, um Corolla prata. Policiais do 4º Batalhão da PM acharam o carro na esquina da Rua Guaipá com a Avenida Imperatriz Leopoldina. A perseguição durou cinco minutos, até o cruzamento da avenida com a Rua Doutor Seidel.  Ali, o motorista do carro, um adolescente de 17 anos, bateu o Corolla num poste. Segundo a PM, os ladrões atiraram - o Corolla tinha mais de 20 marcas de tiro. As imagens mostram Rafael Henrique Fernandes da Silva, de 16, no banco do passageiro com as mãos para fora do carro. Os PMs se aproximam e, então, o cinegrafista treme a câmera. Em seguida, vê-se o ladrão desfalecido no chão - seu corpo foi carregado pelos PMs.  Além de Silva, Diego dos Santos Lima, de 19, também foi morto. Segundo os PMs, em tiroteio. O terceiro ladrão, o motorista do carro, foi medicado e, depois, levado à Fundação Casa. Os objetos roubados foram achados pelos PMs.

Tudo o que sabemos sobre:
PMpolíciaassalto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.