Corregedoria apura fraude no concurso da Polícia Civil

Candidatos que não responderam questões passaram no exame enquanto outros foram barrados

Agência Estado, com O Estado de S.Paulo,

30 Novembro 2009 | 09h39

A Corregedoria da Polícia Civil apreendeu na sexta-feira todos os documentos do concurso para fotógrafo técnico policial. A suspeita é a de que tenha ocorrido fraude na fase oral do exame feito pela Academia da Polícia Civil. Candidatos que não teriam respondido a nenhuma das cinco perguntas feitas na prova de português teriam sido mesmo assim aprovados e outros foram barrados pela banca examinadora composta por peritos criminais. Os exames foram filmados.

Veja também:

linkEsquema de emplacamento desvia R$ 40 mi do Detran-SP

Os corregedores foram à sede da Academia da Polícia Civil, na Cidade Universitária, no Butantã, na zona oeste de São Paulo, a pedido do próprio delegado Ailson José Vieira Pinto, diretor da academia, que recebeu a denúncia sobre a suposta fraude. Os aprovados já estavam cursando as aulas quando o caso foi descoberto - eles deviam preencher, segundo edital de 9 de maio de 2008, 107 cargos vagos de fotógrafos.

Além de documentos com as provas e anotações dos examinadores, a corregedoria também apreendeu oito DVDs com as imagens das provas orais dos candidatos aprovados conforme lista publicada no dia 16 de julho de 2009 - os exames realizados entre 27 de abril e 8 de julho haviam sido gravados.

 

Os homens da Divisão de Operações Policiais (DOP) da corregedoria permaneceram durante quatro horas dentro da academia e voltaram por volta das 20h30 à sede da corregedoria, no centro. O material foi lacrado e deve começar a ser analisado hoje pelos corregedores.

O inquérito sobre o caso deve ser aberto hoje. Os candidatos reprovados e aprovados devem ser chamados a depor. Além deles, a corregedoria deve ouvir também os integrantes da banca examinadora do concurso. Os DVDs com as imagens das provas orais serão enviados à perícia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.