Corredor de Osasco e VLT de Santos terão R$ 600 mi da União

1ª fase da ligação entre São Vicente e Santos por meio de veículo sobre trilhos começa a ser construída em abril

TIAGO DANTAS, TÂNIA MONTEIRO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

07 Março 2013 | 02h07

O governo federal autorizou ontem um financiamento de cerca de R$ 3 bilhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para obras do Estado de São Paulo. A maior parte do dinheiro será destinada a saneamento básico. Cerca de R$ 600 milhões vão custear o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) da Baixada Santista e o corredor de ônibus entre Osasco e Jandira, na Grande São Paulo. O anúncio foi feito após visita do governador Geraldo Alckmin (PSDB) à presidente Dilma Rousseff.

Está previsto para abril o início das obras do primeiro trecho do VLT, que terá 11 quilômetros de extensão e ligará o Terminal Barreiros, em São Vicente, à Avenida Conselheiro Nébias, em Santos. O segundo trecho, com 6 quilômetros, vai da Conselheiro Nébias até o Valongo e começará a ser feito em junho.

Serão gastos cerca de R$ 900 mil nos dois primeiros trechos, segundo a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU). O projeto total prevê, ainda, mais 24,3 km de linhas de VLT e a reestruturação do sistema de ônibus intermunicipais.

Quando estiver pronto, o VLT ligará Santos, São Vicente e Praia Grande por meio de sistema de transporte sobre trilhos de média capacidade, semelhante a um grande bonde. A expectativa da EMTU é de que 23% dos ônibus sejam retirados das ruas.

Ônibus. O outro projeto selecionado foi o Corredor Itapevi-São Paulo, que terá 30,4 km e passará por Jandira, Carapicuíba, Osasco e Butantã, zona oeste.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.