Corpos de irmãos mortos em Ribeirão Pires são enterrados

Crime aconteceu há mais de um mês e corpos só são enterrados nesta sexta; pai e madrasta estão presos

Da Redação,

10 de outubro de 2008 | 16h07

Os corpos dos irmãos Igor Giovani, de 12 anos, e João Victor dos Santos Rodrigues, de 13 - mortos e esquartejados pelo pai e pela madrasta - foram enterrados nesta sexta-feira, 10. Os irmãos foram mortos no dia 5 de agosto e o enterro foi acompanhado por familiares e amigos das crianças. Os corpos foram enterrados no Cemitério Municipal de Ribeirão Pires.   Veja também: Juíza não se conforma com morte de irmãos Todas as notícias sobre o caso    João Alexandre Rodrigues, de 40 anos, e Eliane Aparecida Antunes Rodrigues, de 36, estão presos na Penitenciária de Tremembé, no interior do Estado. À época da transferência, a Secretaria de Segurança Pública, afirmou que o casal foi levada para presídios de outra cidade durante a madrugada para evitar tumulto e revolta.   Rodrigues está na Penitenciária "Dr. José César Salgado", a mesma onde está Alexandre Nardoni, acusado de matar a filha Isabella. Já Eliane Aparecida está na Penitenciária Feminina "Santa Maria Eufrásia Pelletier", onde estão Anna Jatobá, madrasta de Isabella e suspeita pelo crime, e Suzane von Richthofen, condenada por matar os pais, Marísia e Manfred von Richthofen. As duas unidades de Tremembé ficam distantes cerca de seis quilômetros.   Segundo a polícia, os dois atearam fogo nos corpos dos garotos e, como a ação de combustão acabou, depois esquartejaram. Em depoimento, o pai disse ter esganado Igor na sala, após ouvir dele uma resposta agressiva, enquanto a madrasta, simultaneamente, matava João Victor com uma facada na barriga. Na versão dela, o pai teria matado os dois, e ela teria ajudado a esquartejar e ocultar os corpos.   Os meninos tinham uma relação difícil com a família e haviam sido levados pelo Conselho Tutelar ao pai depois de serem encontrados abandonados na rua pela Polícia Civil. Na última sexta-feira, durante a reconstituição do crime, a polícia encontrou parte dos órgãos dos adolescentes no esgoto, como as vísceras e um pulmão.   Entenda o caso:   Janeiro de 2003 - A mãe biológica dos meninos João Victor e Igor sai de casa e deixa os meninos com o pai;   29.04.2005 - Conselho Tutelar recebe 1ª denúncia de abandono pelo pai;   20.06.2005 - Tia paterna denuncia ao Conselho Tutelar que os irmãos sofrem maus-tratos;   20.07.2005 - Pai faz BO contra madrasta após ela bater nos meninos;   17.04.2007 - João e Igor vão para um abrigo por decisão da Justiça;   19.04.2007 - Nova ordem judicial determina o desabrigamento, mas meninos se recusam a sair;   02.05.2007 - A promotora da Infância não comprova risco aos meninos e requer a entrega ao pai. A juíza Isabel Lopes Enei concorda;   07.05.2007 - Em audiência, os meninos choram e dizem que não querem voltar. A juíza revoga a ordem;   26.07.2007 - Pai denuncia à Justiça que os garotos eram castigados no abrigo;   02.07.2007 - Promotora criminal denuncia pai e madrasta por tortura;   17.07.2007 - A juíza criminal Margarete Pellizari aceita a denúncia e marca as primeiras audiências;    Janeiro de 2008 - Isabel Lopes Enei desabriga os meninos, mas não chama a promotora da Infância para se manifestar. Ela recorre;   03.09.2008 - MP refaz a denúncia por maus-tratos e alega que, durante o processo, não se confirmou tortura, mas pede condenação;   03.09.2008 - É feito BO por abandono contra o pai e a madrasta no dia em que os irmãos foram expulsos de casa. Conselho determina que crianças voltem para o pai;   05.09.2008 - Os irmãos são mortos e esquartejados pelo pai e pela madrasta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.