@henzo_triadi_clowns/Instagram
@henzo_triadi_clowns/Instagram

Corpo encontrado em escombros é de vítima que bombeiros tentaram resgatar

Exame de impressões digitais confirmou que corpo encontrado é de Ricardo Oliveira Galvão Pinheiro. Buscas no Largo do Paiçandu, centro de São Paulo, continuarão por, ao menos, uma semana

Isabela Palhares e Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

04 Maio 2018 | 21h37

SÃO PAULO - A Secretaria da Segurança Pública de São Paulo (SSP) confirmou na noite desta sexta-feira, 4, que o corpo encontrado nesta tarde pelos bombeiros nos escombros do prédio que desabou no centro é de Ricardo Oliveira Galvão Pinheiro, de 39 anos. O resgate da vítima foi impossibilitado por uma questão de segundos, de acordo com a corporação, na madrugada da terça-feira, 1, quando ele já estava amarrado a equipamentos de segurança quando o prédio desabou e o levou, matando-o de imediato. 

+++ Laudo de 2017 apontava riscos em prédio que desabou

Em nota, a SSP disse que a identificação foi possível após realização de exame com as impressões digitais feito pelo Instituto Médico Legal (IML) nesta sexta. "Ele estava, com certeza, embaixo de pelo menos dez lajes", explicou nesta tarde o comandante da operação de resgate, o bombeiro Max Mena. A localização do corpo, que foi retirado dos escombros, ainda dependia de uma confirmação oficial de identidade, mas as tatuagens no corpo já indicavam que se tratava de Ricardo. 

+++ Homem que está desaparecido entrou no prédio para ajudar no salvamento, dizem testemunhas

"O corpo não está totalmente preservado. A cabeça da vítima ainda não foi localizada, nem todos os membros foram encontrados. O corpo demonstrou dilacerações decorrentes da queda, mas não vi nenhum sinal de queimaduras", explicou o secretário da Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho. 

+++ Imagem feita há 1 ano mostra suposta fogueira dentro de prédio que desabou em SP

A localização ocorreu após cães farejadores terem indicado um provável local às equipes de busca e resgate que trabalham há quase 96 horas na cena do desabamento, no Largo do Paiçandu, centro da capital paulista. A partir daí, máquinas e bombeiros removeram entulho até encontrar o corpo. 

Os bombeiros ainda buscam por Selma Almeida da Silva, de 48 anos, e seus dois filhos gêmeos (Welder e Wender, de 9 anos), que estariam no 8° andar do prédio. Também entraram na lista oficial de desaparecidos mais duas pessoas: Eva Barbosa Silveira, de 42 anos, e Valmir Souza Santos, de 47. No total, 49 pessoas não foram encontradas, mas não são consideradas oficialmente desaparecidas, já que não há confirmação de que elas estavam no prédio no momento do incêndio. 

O prédio, de 24 andares, desabou durante um incêndio de grandes proporções no Largo do Paiçandu, no centro de São Paulo, na madrugada de terça-feira, 1º. Segundo a Polícia Civil, um curto-circuito em um barraco no 5º andar deu início ao incêndio

A informação foi anunciada após a polícia localizar e ouvir a moradora Walkiria Camargo do Nascimento, que morava no apartamento onde o fogo começou. Segundo as investigações, havia um micro-ondas, uma geladeira e uma televisão conectados a uma única tomada, o que deu origem ao curto-circuito e, em seguida, a uma explosão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.