Reprodução
Reprodução

Corpo de jovem encontrada morta em Cotia tem vestígios de violência

Vanessa foi achada morta no domingo; carro que ela usava foi deixado em Vargem Grande, com marcas de sangue

Marília Lopes, da Central de Notícias, e Cristiane Bomfim, de O Estado de S.Paulo,

14 Fevereiro 2011 | 08h21

SÃO PAULO - O corpo da supervisora de vendas Vanessa Vasconcelos Duarte, de 25 anos, tinha sinais de violência, segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. Ela foi encontrada morta no domingo, por volta das 18h, no km 41,5 da Rodovia Raposo Tavares, em Cotia, Grande São Paulo. Ao lado do corpo foram encontradas dois preservativos - um usado e outro, não. Um exame do Instituo Médico Legal irá revelar se a jovem sofreu violência sexual.

 

A supervisora de vendas iria encontrar três amigas para ir a um curso, mas não chegou ao local combinado. Ela estava com casamento marcado para novembro. Vanessa estava desaparecida desde que saiu da casa do noivo, em Barueri, também na região metropolitana, às 8 horas de sábado.

 

O carro que a jovem usava foi encontrado abandonado em Vargem Grande Paulista, também na Grande São Paulo, pela Polícia Militar, na manhã de sábado. Uma moradora da região disse que viu quando o veículo foi deixado no local por um homem. A viatura da PM chegou ao lugar após ser acionada para atender uma ocorrência na Avenida dos Industriais, no Jardim Europa, perto da Rodovia Raposo Tavares.

 

Quando os policiais militares encontraram o veículo, um Fiesta prata, havia um princípio de incêndio no banco do motorista. O fogo foi controlado pelos próprios soldados da Polícia Militar. Dentro do carro, foi encontrada uma bolsa e havia também vestígios de sangue. O veículo passará por perícia.

 

Após verificar a ausência de queixa de roubo ou furto do carro, a corporação entrou em contato com o dono do veículo. O proprietário do veículo informou que havia emprestado o carro para Vanessa, sua noiva, e disse que ela deveria ter ido encontrar as amigas em Carapicuíba, de onde elas seguiriam para o Jaguaré, na zona oeste de São Paulo, para fazer um curso.

 

O caso foi registrado na Delegacia Geral de Cotia. A polícia vai investigar as imagens gravadas pelas câmeras da rodovia. Segundo a SSP, o caso pode ser transferido para o Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.