Copa: microempresas devem abrir 420 mil vagas

Do total, 420 mil serão na capital paulista; principais áreas são de serviços - bares, restaurantes e turismo

Ligia Tuon, do Jornal da Tarde,

09 Julho 2011 | 12h47

As micro e pequenas empresas (MPEs) devem representar 60% dos empregos gerados estimados por conta da Copa do Mundo de 2014 na capital paulista. São 420 mil dos 700 mil postos de trabalho, segundo o presidente do Sebrae Nacional, Luiz Barreto. As principais áreas são as de serviços, o que inclui bares, restaurantes e turismo, e as vagas relacionadas direta e indiretamente à construção civil.

 

Para o setor, quem ainda não começou a se preparar para absorver as oportunidades que surgem com o evento, deve começar agora.

 

O setor de construção é o que já sente mais intensamente os impactos do evento esportivo. “Desde empreiteiros, até pequenas empresas que oferecem alimentação, uniformes ou banheiros químicos para os funcionários”, diz o diretor superintendente do Sebrae-SP, Bruno Caetano. “A demanda começa agora. Quem não se preparou está atrasado.”

 

Além destes, segundo Caetano, a demanda deverá crescer para a área de tecnologia da informação, bem como para quem trabalha com software, televisão, imagem, som e produção de eventos. “Isso sem contar a área têxtil e também moveleira. Quando você constrói quartos de hotéis, por exemplo, a busca por esse tipo de produto é altíssima”, completa.

 

A estimativa do Sebrae é que o impacto do movimento para a Copa, entre turistas e pessoas da própria cidade, é correspondente a três grandes prêmios de Fórmula 1 e duas Paradas do Orgulho Gay. “Tudo isso no mesmo mês. Estamos falando de quatro a cinco milhões de pessoas na cidade”, diz Caetano.

 

Cursos

Para atender esse público, o empresário pode encontrar uma série de cursos, palestras e auxílio no mercado de trabalho. O próprio Sebrae já oferece cerca de 27 tipos de cursos e palestras voltados para a capacitação profissional. Alguns são grátis e pela internet. “Nossa tarefa é preparar o empresário a fazer uma melhor gestão e achar o nicho de mercado dentro do Mundial”, diz Caetano.

 

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) promove o “Vem receber Copa”, que prepara gratuitamente o estabelecimento para melhor recepcionar o turista. “Quem participa dos três módulos será chamado de multiplicador de informação turística e poderá receber um material do Ministério do Turismo para montar um ponto de informação dentro do estabelecimento”, explica uma das facilitadoras do programa, Luciana Di Fiori.

 

Os cursos se repetem até 2013. Os empresários também podem participar gratuitamente do Ecom 2011 – focado na modernização do varejo. O evento vai percorrer as 12 cidades-sede do Mundial e começa em São Paulo, em 5 de agosto. “O objetivo é informar, formar e capacitar os profissionais no comercio eletrônico, negócios na web e revolução de meios de pagamento”, diz o idealizador do projeto, Marcelo Castro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.