Erica Dezonne/Estadão
Erica Dezonne/Estadão

Copa causou até 27% menos filas, graças a 'feriados prolongados'

Durante jogos do Brasil ou na Arena Corinthians, em Itaquera, Prefeitura ampliou o horário de rodízio para o dia todo

Caio do Valle e Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

22 de setembro de 2014 | 02h03

SÃO PAULO - Até a Copa do Mundo teve mais efeitos no trânsito que a inauguração do Trecho Leste do Rodoanel. De acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), nos meses de junho e julho houve uma redução de 27% e 10%, respectivamente, no trânsito da Marginal do Tietê. Já na cidade toda, a queda foi de 10% e de 13%.

Em dias de jogos do Brasil ou na Arena Corinthians, em Itaquera, na zona leste, a Prefeitura ampliou o funcionamento de rodízio no horário de pico para o dia todo. No entanto, para o engenheiro e mestre em Transporte pela Universidade de São Paulo (USP) Sérgio Ejzenberg, além das medidas de trânsito, a cidade - e principalmente a economia - viveram uma espécie de "feriado prolongado" durante a Copa do Mundo.

"O mercado de automóveis novos parou e o imobiliário também. A produtividade abaixou e o trânsito diminuiu porque foi como uma espécie de período de férias", explicou o especialista. "Isso acontece ao mesmo tempo em que uma crise de condições avantajadas se manifesta. Passou a Copa do Mundo, mas nós continuamos com a economia em recessão", afirma Ejzenberg.

Atípico. Já para o secretário de Estado da Casa Civil e ex-secretário de Logística e Transporte, Saulo de Castro Abreu, não se pode comparar o período da competição com a inauguração do Rodoanel porque nos dias de jogos a cidade viveu dias "atípicos", uma vez que os paulistanos ou deixaram de trabalhar ou foram para casa mais cedo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.