NILTON FUKUDA/ESTADÃO
NILTON FUKUDA/ESTADÃO

Conversa entre guarda-civil e Central será apurada, diz Haddad

Informação, revelada em entrevista de agente ao ‘Estado’, será incluída em processo e levada à Corregedoria e ao DHPP

JULIANA DIÓGENES e LUIZ FERNANDO TOLEDO, O Estado de S.Paulo

30 Junho 2016 | 20h52

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), afirmou nesta quinta-feira, 30, que a revelação publicada pelo Estado, de que o guarda Caio Muratori trocou informações com a Central de Comunicação (Cetel) da Guarda Civil Metropolitana (GCM) antes da perseguição e morte de uma criança de 11 anos na zona leste da capital, será incluída no processo administrativo disciplinar instaurado na última segunda-feira. 

Muratori disse que, antes de iniciar a perseguição, acionou a Central e informou a rede sobre a ocorrência. “Eles me pediram mais informações, como placa e localização, e disseram que mandariam reforços, que não chegaram a tempo. Se fosse para eu abortar a missão, eles já teriam dito”, afirmou o guarda-civil. O secretário municipal de Segurança Urbana, Benedito Mariano, encaminhou nesta quinta cópia dos áudios da conversa entre o guarda e a Central à Corregedoria da Guarda e ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que investiga o caso.

Segundo Haddad, a declaração do guarda pode ser comprovada, já que as conversas com a Cetel são gravadas. “Essa informação é nova”, afirmou.

O prefeito explicou que será apurado o envolvimento de outras pessoas, além dos três guardas-civis que participaram da ocorrência. “Se ele recebeu (informação errada da Cetel), outra pessoa rompeu o protocolo. Se ele ligou para a Central, disse isso e recebeu uma orientação equivocada, isso está gravado”, afirmou Haddad. “Que houve falha, nós já sabemos, mas de quem? Vamos apurar as responsabilidades. Vamos verificar o que é verdade para chegar a uma conclusão.”

Normas. Os guardas responderão por terem desrespeitado ao menos duas normas internas da corporação. Em uma delas, de 2008, é vetada a perseguição a veículos em atitudes suspeitas. A outra, de fevereiro deste ano, diz para “não manusear arma no interior de viatura, não disparar contra veículo em fuga e não sacar a arma no interior de viatura antes do desembarque”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.