Contrariando a justiça, Igreja faz vigília e trava de novo a Via Dutra em Guarulhos

Multa estipulada em caso de desobediência é de R$ 100 mil; congestionamento chegou a 5 km

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

14 de janeiro de 2012 | 01h51

SÃO PAULO - Não teve jeito. Mesmo com determinação judicial que proibia a realização de uma vigília em frente ao templo, na Avenida Monteiro Lobato, em Guarulhos, na Grande São Paulo, milhares de fiéis da Igreja Mundial do Poder de Deus se reuniram na noite de sexta-feira, 13, bloqueando a via e causando congestionamento desde as 20 horas na pista expressa (única existente no trecho) sentido Rio da Rodovia Presidente Dutra.

 

Segundo a concessinária NovaDutra, as filas de carros parados na Via Dutra chegaram a 5 quilômetros às 22h15, entre os quilômetros 219, onde há o acesso à Avenida Monteiro Lobato, e 224. O tráfego só foi normalizado - com o término do congestionamento - às 23h30, em razão do horário, quando automaticamente diminui a quantidade de veículos que passam pela região. A vigília deve terminou por volta das 4h30 deste sábado, 14, horário em que os primeiros ônibus com os fiéis começaram a deixar o local. A expectativa era de que o trânsito travasse novamente, mas no sentido São Paulo, pois boa parte dos coletivos fretados voltou para a capital paulista e pegou retorno no quilômetro 222, onde a pista expressa passa por obras de ampliação.

 

A Justiça paulista proibiu a vigília marcada para começar às 23 horas desta sexta-feira e estipulou multa de R$ 100 mil caso o evento ocorresse.  Há duas semanas, na inauguração do templo, que não tem alvará de funcionamento por parte da Prefeitura de Guarulhos, o congestionamento chegou a 8 quilômetros na região, com milhares de pessoas e centenas de ônibus bloqueando a avenida.

 

 

Texto atualizado às 6h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.