HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO
HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO

Contra rede clandestina de esgoto, Sabesp quer ajuda do MP

Segundo presidente da companhia, lista com cem clientes de cidade do interior será encaminhada aos promotores para que eles possam exigir dos consumidores a ligação na rede

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

22 Julho 2015 | 23h33

O presidente da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Jerson Kelman, disse nesta quarta-feira, 22, que vai pedir ajuda ao Ministério Público Estadual (MPE) para obrigar consumidores que se recusam a ligar suas residências na rede de esgoto da estatal a fazer a conexão.

Segundo Kelman, uma lista com cem clientes de uma cidade do interior será encaminhada aos promotores para que eles possam exigir dos consumidores a ligação na rede, em uma espécie de projeto-piloto. O dirigente, contudo, não soube dizer em qual cidade isso será feito nem quantos clientes no Estado se recusam a se ligar na rede.

"Há uma quantidade enorme de consumidores que não se ligam na rede de esgoto porque não querem, infringindo a lei", disse Kelmna, durante um debate sobre a crise hídrica na Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp). "São pessoas que estão poluindo os corpos d'água, causando dano social porque querem ter ganho pessoal." 

Segundo estudo divulgado recentemente pelo Instituto Trata Brasil, há cerca de 70 mil ligações de esgoto ociosas só na capital, que atenderiam cerca de 230 mil pessoas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.