DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Contra multa, entidade convoca 'banho coletivo na casa do Alckmin'

Evento da Associação de Consumidores (Proteste) está marcado para a próxima segunda-feira, 26, e já tem 106 mil confirmados

O Estado de S. Paulo

22 Janeiro 2015 | 14h18

SÃO PAULO - A Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste) se valeu de um meio inusitado para voltar a criticar a cobrança de multa para quem consumir mais água e cobrar o governo Geraldo Alckmin (PSDB) pela crise hídrica em São Paulo. "Banho coletivo na casa do Alckmin" foi o nome dado pela entidade a um evento criado no Facebook, que já conta com mais de 106 mil pessoas com presença confirmada.

Segundo informações da página, o protesto está marcado para a próxima segunda-feira, 26, às 10 horas, em frente ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista e residência oficial do governador. "O governador Geraldo Alckmin reluta em declarar oficialmente o racionamento de água em São Paulo. Talvez ele não esteja com problemas de água na casa dele", provoca a entidade.

" SRC="/CMS/ICONS/MM.PNG" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;

A descrição do evento continua em tom sarcástico. "Então, que tal darmos um pulinho no Palácio dos Bandeirantes para tomar uma ducha? Separe seu roupão, toalha e sabão. Vamos aproveitar para lavar toda a roupa suja! Contamos com sua presença nesta luta!"

No último dia 13, a Proteste entrou com um pedido de liminar para suspender a sobretaxa de até 100% na tarifa cobrada pela Companhia de Saneamento Básico do Estado (Sabesp) até que o governo declare oficialmente racionamento de água. No dia seguinte, a liminar foi cassada no Tribunal de Justiça (TJ-SP), permitindo a cobrança de multa, válida desde o dia 8 de janeiro, por consumo excessivo.

 

Mais conteúdo sobre:
Crise da Água Sabesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.