Contra lotação,Cumbica terá três miniterminais

Galpões provisórios também serão instalados em outros 11 aeroportos; com custo menor, têm vida útil de no máximo 15 anos

Bruno Tavares, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2010 | 00h00

Para conter a lotação nos principais aeroportos e suprir a demanda da Copa-14 e da Olimpíada de 2016, a Infraero aposta em 15 miniterminais em 12 aeroportos ? 3 em Cumbica. Eles custam até três vezes menos que uma estrutura definitiva, mas têm vida útil de no máximo 15 anos. O Módulo Operacional Provisório (MOP) é o nome do galpão pré-moldado que a Infraero vai espalhar pelo País.

O planejamento da estatal para 2014, discutido ontem no Rio, mostra que o maior deles, com área de 14 mil m², será erguido em Cumbica, a partir de julho, e terá capacidade para receber 3 milhões de passageiros por ano ? o equivalente ao movimento atual de Viracopos. O menor será em Ilhéus (BA), com capacidade para 250 mil passageiros por ano.

O investimento total em MOPs será de R$ 114,9 milhões ? R$ 68 milhões só em Cumbica, segundo o diretor de Engenharia da Infraero, Jaime Parreira, informou ontem na Cúpula União Europeia-América Latina de Aviação Civil, no Rio. "A vida útil dos MOPs vai de 10 a 15 anos e eles podem ser mudados de local", ressalta. O custo é de R$ 2.500 por m² ? ante R$ 7 mil de uma estrutura definitiva.

Problemas. Em Cumbica, os dois terminais atuais têm capacidade para absorver até 21 milhões de passageiros por ano. Em 2009, porém, esse limite foi ultrapassado em 700 mil pessoas. É como se o terminal tivesse de suprir, além da própria demanda, todo o movimento do aeroporto de Aracaju.

Só o segundo MOP, previsto para dezembro de 2011, é que terá infraestrutura própria de check-in, lojas e lanchonetes. Com 14 mil m², poderá atender até 3 milhões de passageiros por ano. Também está previsto um terceiro MOP, com capacidade para 2,5 milhões de passageiros, para abril de 2013. A opção pelos módulos, segundo a Infraero, atende a dois objetivos. O primeiro, e mais urgente, é oferecer conforto aos passageiros. O outro é ampliar a capacidade de Cumbica enquanto o terceiro terminal não fica pronto. Se o planejamento da estatal se concretizar, 50% estará construído até 2013. O restante será entregue em 2016.

Também faz parte do pacote de obras para Cumbica a eliminação dos gargalos de pátio e pista. No dia 14, a Infraero e o Exército assinaram a ordem de serviço para o início das obras de ampliação do pátio de aeronaves e readequação do sistema de pistas. Dos R$ 5,3 bilhões que estão previstos para ser aplicados nos aeroportos da Copa de 2014 a partir de 2011, R$ 950 milhões (19%) serão destinados para Cumbica.

Críticas. Respício Espírito Santo Júnior, presidente do Instituto Brasileiro de Estudos Estratégicos e de Políticas Públicas em Transporte Aéreo, reconhece a utilidade dos MOPs, mas assinala que a alternativa demonstra "o péssimo planejamento da Infraero".

"Os módulos vão atender à demanda. Mas com que qualidade?", questiona. "É como se a construtora chegasse para você e dissesse que seu apartamento ainda não está pronto e, como alternativa, oferecesse uma barraca de camping." /

COLABOROU JACQUELINE FARID

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.