Reuters
Reuters

Contra greve, Metrô aumenta proposta de reajuste salarial e oferece 8,29%

Categoria anunciou paralisação para esta terça-feira, 2; metroviários discutirão porcentual em assembleia sindical nesta segunda, 1º

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

01 Junho 2015 | 16h51

Corrigido às 21h24 (em itálico)

Para tentar evitar nesta terça-feira, 2, uma paralisação do Metrô, a empresa ofereceu na tarde desta segunda-feira, 1º, em audiência no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT), um reajuste salarial de 8,29% (o texto dizia erroneamente que o reajuste seria de 8,82%), aumentando a proposta feita da semana passada de 7,21%.

A reunião entre a Justiça, o Sindicato dos Metroviários e a companhia ainda não terminou. Na audiência da semana passada, a Justiça propôs uma "cláusula de paz" para que, na época, a categoria não paralisasse as atividades enquanto a audiência desta segunda-feira não fosse realizada.

Os metroviários ainda vão levar as propostas feitas pelo Metrô para uma assembleia sindical, na sede da entidade, no Tatuapé, na zona leste de São Paulo. Categoria pede aumento de 18,64% e outros benefícios. 

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Metrô

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.