Continua limpeza nas praias de Maresias inundadas por óleo diesel

Caminhão que carregava combustível tombou na última quinta-feira na Rodovia Rio-Santos, litoral norte de São Paulo

Reginaldo Pupo - Especial para o Estado de S. Paulo,

10 Setembro 2012 | 19h28

SÃO SEBASTIÃO - Equipes da Defesa Civil, voluntários, técnicos da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) e moradores da Praia de Maresias, em São Sebastião, litoral norte de São Paulo, continuaram durante todo o dia desta segunda-feira, 10, tentando remover da areia da praia, do mar e de cursos d'água, manchas de óleo diesel. O material é provenientes de um caminhão que tombou na tarde da última quinta-feira na Rodovia Rio-Santos, no trecho conhecido como Serra de Boiçucanga.

O acidente provocou a interdição da via, causando a paralisação do trânsito durante toda a madrugada. O produto escorreu por córregos, atingiu o Rio Canto do Moreira e chegou até o mar. Nesta segunda, quatro dias após o acidente, o secretário municipal do Meio Ambiente, Eduardo Hipolito do Rego, afirmou que ainda havia resquícios de óleo, animais marinhos mortos e um forte odor. Banhistas relataram ter sentido a presença do óleo durante o feriado nas praias de Paúba e Toque-Toque Pequeno.

"O acidente foi muito grave e o trabalho de contenção que está sendo feito pela empresa não se mostra suficiente, pois o produto está passando pelas barreiras de contenção e absorção. Estamos constatando, quatro dias após o acidente, a mortandade de peixes e crustáceos nos cursos d'água e no mar", relatou o secretário, que acompanhou os trabalhos juntamente com sua equipe técnica e da Cetesb.

Rego informou que além das duas multas que serão aplicadas à empresa transportadora do caminhão que causou o acidente (uma por danos ao ecossistema e outro por danos ao mar), sua secretaria estuda a possibilidade de aplicar uma terceira multa. "Vamos aplicar o valor máximo previsto na nossa legislação municipal, que é de R$ 5 mil cada. O valor total, porém, é insuficiente para arcar com os custos de limpeza das praias e da vegetação atingida pelo óleo".

Ainda segundo Rego, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente irá coletar durante esta semana amostras da água do mar e, de acordo com os resultados, a pasta irá estudar outras providências contra a empresa responsável pelo acidente. "O trabalho de recuperação parcial deverá levar ao menos mais 15 dias. As consequências, porém, irão durar por vários anos".

Consequências. Segundo a prefeitura de São Sebastião, a Defesa Civil teria encaminhado no último fim de semana duas crianças ao pronto-socorro da Praia de Boiçucanga, ao lado de Maresias, com irritação na pele e ardência nos olhos. Apesar de o acidente ter sido causado por uma empresa terceirizada que transportava o produto com bandeira Petrobrás, a prefeitura afirmou que a empresa petrolífera não repassou nenhum tipo de aviso com relação aos efeitos causados pela inalação e contato com o produto.

Em informe divulgado pela prefeitura, moradores da praia estariam contabilizando prejuízos por causa do acidente, especialmente os que dependem do mar e de atividades aquáticas. Mesmo após o acidente, turistas frequentaram a praia normalmente durante o feriado prolongado. O local não foi interditado e não havia placas informando sobre a contaminação.

De acordo com o engenheiro agrônomo, André Mota Waetge, que acompanha o trabalho como membro da associação de amigos do Canto do Moreira, "milhares de peixes de água doce, pitus e toda forma de vida que existia nos cursos d'água foram exterminados, tanto no oceano como na área de preamar". Para ele, os danos ambientais vão permanecer durante vários anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.