Conta de luz quase dobrou

AES ELETROPAULO

O Estado de S.Paulo

28 de dezembro de 2012 | 02h01

A AES Eletropaulo enviou a conta de luz de novembro com vencimento em dezembro com um valor muito superior à média que costumo pagar. Entrei em contato com o Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) da empresa e me passaram dois protocolos. Mas até agora não obtive resposta da análise da minha conta. Eu deixei bem claro à atendente que registrou o protocolo da minha reclamação que eu aguardava a resposta da análise. No entanto, não adiantou, pois a AES Eletropaulo não me respondeu, não me telefonou nem deixou recado em minha caixa postal nem enviou e-mail de tentativa de contato ou algo do tipo. Se for feita aferição pela minha média de consumo, fica evidente que o valor não chega a 224 kWh. A minha média é de aproximadamente 140 kWh, justamente o consumo dos últimos 11 meses. Caso a empresa citada não me forneça a análise devida e, com isso, mude a cobrança para o valor correto de consumo, vou entrar com uma ação no Juizado Especial Cível e no Procon exigindo todos os meus direitos devidos pelo descaso, pela falta de respeito ao cliente e por cobrança abusiva. Espero que isso não seja necessário e que a empresa avalie o meu caso e apresente uma solução.

MICHAEL OLIVEIRA DOS SANTOS / SÃO PAULO

A Assessoria de Imprensa AES Eletropaulo informa que revisou a fatura de novembro/12 para o valor de R$ 46,85, com vencimento

para o dia 10 de janeiro.

O leitor comenta: Até o momento não recebi a conta com

essa revisão prometida pela AES Eletropaulo.

COMGÁS

Cobrança em duplicidade

Meu marido e eu estamos sendo cobrados duas vezes pelos serviços de gás e pela instalação do chuveiro da Comgás no nosso apartamento. Está vindo a cobrança no CPF dele e no meu, como se vivêssemos em endereços diferentes. Solicito urgência na resolução desse caso e a devolução dos pagamentos feitos em duplicidade.

TATIANA AMENDOLA SANCHES

/ SÃO PAULO

A ouvidora da Comgás, Ana Oliveira, informa que foram efetuadas as regularizações cadastrais necessárias, que resultaram na unificação das cobranças no endereço da leitora para o nome de seu esposo. Por fim, a Comgás entrou em contato com a sra. Tatiana no dia 13/12, quando lhe foram transmitidas as informações necessárias.

A leitora confirma: Só vou ter certeza de que foi resolvido na próxima conta! Mas ainda não foi feita a devolução do valor pago em duplicidade.

SEDEX ATRASA 8 DIAS

Reembolso agora é de 30%

Escrevo aqui por não concordar com a política de reembolso dos Correios, alterada há pouco tempo. Antes, o reembolso pelo não cumprimento do prazo do envio do Sedex era de 100% do valor pago. Agora passou para 30%. Em 27/11 enviei uma encomenda para um cliente via Sedex, e ela só foi entregue em 7/12. Ou seja, com 8 dias de atraso! O produto foi recusado por causa da demora. Assim, perdi o cliente, paguei o frete e recolhi os impostos. Na contramão das empresas competitivas, que aumentam os resultados com crescimento da produtividade e boa gestão de custos operacionais, os Correios aumentam seus lucros com a diminuição da eficiência e a redução de despesas, alterando a política de reembolso pelos serviços malfeitos ou não prestados. Espero a devolução integral.

PLÍNIO C. PEREIRA / SÃO PAULO

Os Correios não responderam.

O leitor diz: Não recebi resposta dos Correios.

CARTÃO FURTADO

Dívida contestada

Em 26/10 furtaram o meu cartão de crédito Chevrolet Card, em Campinas, conveniado com o Banco do Brasil (BB). Minha última compra foi feita às 15h46 e às 16h14 usaram o cartão. Ao perceber, entrei em contato com o BB para bloqueá-lo. Soube que tinham sido feitas 8 compras, num total de R$ 4.917,86, à vista - e eu sempre compro parcelado. Na agência, pediram para eu levar o B.O. e registrar o fato no banco. Fiz isso, mas a agência disse que eu teria de pagar essa dívida.

ELISETE SERRES PACHECO

/ ITABERÁ

A Assessoria de Imprensa Regional BB informa que a agência de relacionamento do banco entrou em contato com a cliente e prestou os devidos esclarecimentos.

A leitora responde: O meu cartão está bloqueado e fui informada de que o banco não vai mais desbloqueá-lo. E ainda o BB se nega a me fornecer outro, alegando fazer parte do acordo. Que lei é essa que pune as pessoas dessa forma?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.