Nilton Fukuda/AE-30/6/2011
Nilton Fukuda/AE-30/6/2011

Conta de água vai aumentar 6,83% em setembro

Impacto deve ser menor para condomínios; reajuste vale para todas as cidades abastecidas pela Sabesp, com exceção de São Bernardo, Lins e Magda

Ligia Tuon, O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2011 | 00h00

As tarifas de água e esgoto da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) serão reajustadas em 6,83%, a partir de 9 de setembro. O aumento autorizado ontem vale para todas as cidades atendidas pela empresa, com exceção de São Bernardo do Campo, Lins e Magda, que têm regras contratuais diferenciadas.

O índice fica ligeiramente abaixo da inflação oficial dos últimos 12 meses, que foi de 6,87%. Conforme simulação feita pela Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado (Arsesp), o aumento da tarifa para residências com consumo de até 10 metros cúbicos por mês é de R$ 1,94 (de R$ 28,38 para R$ 30,32). Já para residência social (que depende da faixa salarial do morador, metragem do imóvel e consumo), a alta é de R$ 0,66.

Condomínio. Para quem mora em prédio, o impacto do reajuste será menor. "De uma maneira geral, a conta de água equivale a 11,18% da despesa geral de um condomínio. Dessa forma, podemos dizer que o aumento será de 0,76% no total", diz o diretor da Associação das Administradoras de Bens, Imóveis e Condomínios de São Paulo (AABIC) Omar Anauate. "Dependendo do caso, o valor, que é repassado anualmente, nem será incorporado ao valor do condomínio", ressalta.

Olho na conta. Isso significa que quem mora em casa deve prestar mais atenção ao reajuste. "Esses consumidores já vão notar uma alta na conta de água no próximo mês, apesar de pequena", alerta Tatiana Viola de Queiroz, advogada da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Pro Teste).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.