Construtora promete imóvel há 1 ano e meio

Os noivos Fabio Santos, de 34 anos, e Aliny, de 32, estavam com tudo planejado quando, em 2008, compraram o apartamento em que pretendiam viver após o casamento. A cerimônia foi marcada para outubro de 2009, sete meses após o fim da obras. Mas a entrega do Residencial Fit, em Taboão da Serra, na Grande São Paulo, atrasou e a vida do casal - como de centenas de famílias - virou de pernas para o ar.

Paulo Saldaña, O Estado de S.Paulo

02 Setembro 2010 | 00h00

Com 19 torres e 380 apartamentos, as obras do empreendimento da construtora Tenda seriam concluídas em março de 2009, mas isso só ocorreu no começo deste ano. Depois foi a documentação que emperrou e, mesmo com tudo pronto, as chaves não foram entregues.

Aliny e Fabio tiveram de improvisar. "Já morei na casa da minha sogra por alguns meses, depois tivemos de alugar um apartamento", diz a manicure. "Estamos pagando R$ 950 por mês de aluguel, mesmo com nosso apartamento prontinho."

Os compradores se preparam para protocolar denúncia no Ministério Público. Na terça, eles fizeram protesto na Câmara.

A empregada doméstica Maria Aliene Porto, de 32 anos, comprou uma unidade em 2008. Confiou no prazo e entregou o apartamento em que morava de aluguel. Há mais de uma ano ela mora de favor na casa dos patrões.

Em nota, a Tenda informou que o motivo dos atrasos foi "falta de material e de mão de obra de qualidade". O Habite-se só saiu em abril. O terreno era de interesse social, mas a obra não oferecia as unidades para famílias de baixa renda, como exigido pela prefeitura. A construtora só conseguiu a liberação depois de construir os apartamentos populares em outro empreendimento. A entrega é prometida para outubro. Maria duvida. "Já adiaram a entrega várias vezes e não nos dão satisfação."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.