RAFAEL ARBEX/ESTADÃO
RAFAEL ARBEX/ESTADÃO

Construtora começa obra de ciclovia na Avenida Pacaembu

Empresa foi obrigada a fazer novas faixas como contrapartida de edifício de 24 andares na Avenida Marquês de São Vicente

Mônica Reolom e Rafael Italiani, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2015 | 03h00

SÃO PAULO - A Avenida Pacaembu, próxima da Praça Charles Miller, na região oeste de São Paulo, entrou em obras nesta semana para receber uma ciclovia ao redor do canteiro central. Os trabalhos estão sendo feitos pela Think Construtora, que foi obrigada a arcar com a instalação das faixas vermelhas, uma de cada lado do canteiro, para que possa inaugurar em maio uma torre de 24 andares na Avenida Marquês de São Vicente, na Barra Funda, também na zona oeste. A previsão de entrega da ciclovia, de acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), é para daqui a 90 dias.

A ideia de “terceirizar” as ciclovias serve tanto para reduzir os impactos que os veículos vão causar no trânsito da região como uma forma de a Prefeitura atingir sua promessa do plano de metas. O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), comprometeu-se a fazer 400 quilômetros de faixas para bicicletas até o fim da sua gestão e, até agora, entregou 260,4 km.

Com aproximadamente 1,2 quilômetro de extensão, a via para bikes na Pacaembu vai da Praça Charles Miller até a Rua Candido Espinheira, interligando-se ao trecho da Rua Itápolis. Segundo a CET, a ciclovia será elevada em relação às faixas para carro e, por isso, outras intervenções serão feitas, como readequação de guias, reforma das sarjetas, troca das bocas de lobo e nova sinalização.

Zona sul. A decisão sobre o caso da Think Construtora foi publicada em 11 de setembro no Diário Oficial da Cidade. Nesta quarta-feira, 21, a Prefeitura voltou a determinar a transferência da construção de ciclovias para a iniciativa privada, agora para o Clube de Campo São Paulo, na Cidade Dutra, zona sul. O clube deverá fazer 2,5 km de faixas para bicicletas como compensação aos impactos no trânsito. Segundo a Secretaria Municipal de Transportes, a infraestrutura deve estar pronta em 240 dias.

A agremiação está localizada no reduto eleitoral do secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto (PT), área conhecida como “Tattolândia” entre os moradores da região e vereadores paulistanos. A pista para bikes vai ligar a Avenida Senador Teotônio Vilela, um dos viários mais importantes da região, e a Rua Frederico René de Jaegher.

Além das faixas para bicicletas, o clube também será responsável pela instalação de uma rede semafórica. De acordo com O Diário Oficial, nove equipamentos das Avenidas Atlântica e Senador Teotônio Vilela serão substituídos por modelos novos. Os projetos da ciclovia e da sinalização serão fornecidos pela Companhia de Engenharia de Tráfego.

Kassab. A exigência da construção de obras viárias como contrapartida não é inédita e começou na gestão do ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD). Para legalizar o Shopping JK, em Cidade Jardim, na zona sul, por exemplo, a construtora WTorre foi obrigada a construir um viaduto interligando a Avenida Juscelino Kubitschek às pistas da Marginal do Pinheiros, na zona sul. Já durante o governo Haddad a construtora entregou uma ciclopassarela entre o Parque do Povo e a ciclovia paralela à Linha 9-Esmeralda da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), também na zona sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.