Construtora afirma que se apresentou ao MPE para ajudar a investigar quadrilha

Tecnisa afirma que representante foi à sede da Promotoria para ajudar na apuração; promotor responsável pelo caso diz que empresas não se portam como vítimas dos fiscais

Artur Rodrigues, Bruno Ribeiro e Fabio Leite,

28 Novembro 2013 | 15h54

 SÃO PAULO - A construtora Tecnisa informou que se apresentou na quarta-feira (27) para colaborar com as investigações do Ministério Público Estadual (MPE) sobre a quadrilha que fraudou até R$ 500 milhões em tributos municipais. A empresa está entre as citadas pelo delator do esquema, o auditor fiscal Luis Alexandre Cardoso Magalhães, por supostamente pagar propina para aprovação de obras. 

A nota da empresa, no entanto, não dá detalhes sobre o que está sendo feito para ajudar no caso. O comunicado limita-se a afirmar que a Tecnisa "empreenderá todos os esforços" para colaborar com a Justiça, apesar de não ter sido notificada oficialmente. O promotor Roberto Bodini, que investiga o caso, criticou as empresas citadas, afirmando que elas não se portam como vítimas. Ele afirma ter chamado a Tecnisa, a Tarjab, a BKO e a Trisul para prestar informações. 

Até o momento, a Brookfield admitiu ter pago R$ 4,1 milhões em propina. Uma testemunha protegida afirmou que a Alimonti foi extorquida em R$ 460 mil. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.