Construção de parque em represa é liberada

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) cassou liminar que paralisava a construção do Parque 9 de Julho, na área da Represa do Guarapiranga, na zona sul da capital. O Ministério Público (MP) havia pedido a interrupção das obras. A Prefeitura recorreu, alegando, entre outros pontos, que o parque promoveria o uso sustentável de área verde, diminuindo a ocupação desordenada.

, O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2010 | 00h00

Os integrantes da Câmara Especial do Meio Ambiente do TJ-SP acolheram o recurso por unanimidade. A decisão, de 14 de outubro, só foi divulgada ontem. Segundo o voto do relator, desembargador Antonio Celso Aguilar Cortez, os problemas apontados pelo MP não justificam a paralisação total, "bastando a adequação capaz de atender ao que todos dizem querer, ou seja, a proteção ao meio ambiente". Ainda de acordo com o voto, nada impede que a qualquer momento do processo, diante de provas, o juiz reavalie a situação da execução do projeto.

O plano prevê uma praia artificial de 1 quilômetro linear, onde a população poderá banhar-se em um piscinão - no mesmo sistema adotado em Ramos, no Rio. Um dique deve separar a água dos banhistas da represa. Periodicamente, comportas serão abertas para que as águas do piscinão sejam renovadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.