Conselho de odontologia cobra 'atitudes urgentes' do governo de SP

Após novo caso de violência, dentistas pedem para antecipar audiência com secretário de Segurança

O Estado de S. Paulo

28 Maio 2013 | 11h50

Atualizado às 17h10

SÃO PAULO - O Conselho Regional de Odontologia de São Paulo cobrou, em nota, o governo do Estado após mais um caso de violência envolvendo dentistas. "Duas tragédias semelhantes no espaço de um mês exigem atitudes urgentes e rigorosas por parte do governo e das autoridades de segurança pública", diz o texto. "As autoridades devem agir com presteza, criando um cinturão de segurança para os profissionais de odontologia, antes que o modus operandi vire prática comum aos criminosos."

Na segunda-feira, 27, o dentista Alexandre Peçanha Gaddy teve seu corpo queimado durante um assalto em seu consultório, em São José dos Campos. Há pouco mais de um mês, a também dentista Cinthya Magaly Moutinho de Souza morreu queimada por ladrões dentro de seu consultório, em São Bernardo do Campo.

"Essa tragédia reforça a necessidade de um profundo debate sobre a questão da segurança no estado de São Paulo e no Brasil. É, aliás, um retrato da falta de segurança que ronda o dia a dia dos profissionais de odontologia e dos cidadãos de São Paulo", diz a nota.

O conselho pediu para antecipar, em caráter de urgência, uma audiência marcada inicialmente para o dia 6 de junho com o secretário de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, "para pleitear atenção especial às políticas de segurança, em particular às de caráter preventivo". A secretaria informou que a reunião será nesta quarta-feira, 29, às 11h.

O conselho criou o canal "Vamos nos Proteger" (e-mail: vamosnosproteger@crosp.org.br) para receber denúncias de casos de assaltos e violência envolvendo a classe.

Mais conteúdo sobre:
Dentista violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.