Conselho de Ética vai investigar diretor da ANS ligado a operadora

Elano Figueiredo omitiu de currículo ter sido representante jurídico de empresa de plano de saúde

Andreza Matais / Brasília, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2013 | 02h07

A Casa Civil determinou a abertura de investigação no Conselho de Ética da Presidência da República sobre a conduta de Elano Figueiredo, que assumiu na sexta-feira uma diretoria na Agência Nacional de Saúde (ANS) por indicação da presidente Dilma Rousseff.

O Estado revelou no sábado que Figueiredo omitiu do currículo enviado ao Planalto ter sido representante jurídico da Hapvida, operadora de saúde na Região Nordeste.

A Casa Civil informou que determinou a investigação "em vista de notícias veiculadas na imprensa no fim de semana".

Currículo. Figueiredo afirma que trabalhava para um escritório de advocacia e que a Hapvida não autorizou a divulgação do trabalho. No currículo que encaminhou à Casa Civil, ele diz apenas que atuou na "gestão de departamento de advogados e estratégias jurídicas, na área de saúde".

Em artigo publicado em uma revista da Escola Superior de Magistratura do Ceará, entretanto, Figueiredo assina como diretor jurídico da Hapvida.

Ele também consta como participante do I Encontro de Líderes Hapvida Saúde, em 2010. Há, ainda, dezenas de ações assinadas por Figueiredo contra a própria ANS - como diretor, ele terá de analisar esses casos.

A oposição criticou o governo pela indicação. "Se o currículo do camarada está incompleto, fomos enganados e caímos no conto do vigário. A obrigação do governo, agora, é suspender a nomeação do novo diretor da ANS diante dessa irregularidade, pois, do contrário, estará agindo de má fé", afirmou Agripino Maia, líder do DEM no Senado." / ANDREZA MATAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.