Conscientização não pode ser esquecida

Desde que o HIV foi isolado, há 30 anos, tivemos uma evolução enorme. Nenhuma infecção na história teve um avanço tão rápido no desenvolvimento de fármacos. Temos medicamentos para atuar em várias fases do vírus e conseguimos suprimir a replicação viral. Mas não podemos esquecer a conscientização. Nos países africanos, a epidemia continua avançando. E, mesmo no Brasil: a cada três pacientes que entram na terapia, seis novos se infectam. Também temos de ter em mente que não há cura. Não conseguimos chegar a uma vacina, mas não podemos desistir. Só com vacina a infecção vai poder mesmo ser controlada globalmente.

JOSÉ COUTO-FERNANDEZ *,

21 Maio 2013 | 02h02

* JOSÉ COUTO-FERNANDEZ É PESQUISADOR DO INSTITUTO OSWALDO CRUZ

Mais conteúdo sobre:
José Couto-Fernandez

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.