Divulgação
Divulgação

MP denuncia dentista de Santos conhecido como 'maníaco da peruca'

Flávio Graça chegou a usar uma peruca loira e uma black power como disfarce; caso a Justiça acate, ele vai responder por cinco homicídios qualificados

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2016 | 08h40

SÃO PAULO - O dentista Flávio do Nascimento Graça, de 37 anos, que ficou conhecido como "maníaco da peruca", foi denunciado pelo Ministério Público de São Paulo (MP-SP) nesta segunda-feira, 21. Ele é acusado de matar três pessoas e ferir duas nos últimos dois anos. 

As vítimas eram proprietários e funcionários de uma clínica que se instalou ao lado do estabelecimento de Graça, em Santos, no litoral sul paulista. Em todos os ataques, o suspeito usou peruca e óculos escuros.  Caso a Justiça aceite a denúncia, Graça vai responder por cinco homicídios qualificados. 

O MP-SP entendeu que os crimes foram motivados por vingança. Segundo o promotor Cássio Sartori, autor da denúncia, Graça "agiu por motivo torpe (vingança) e de emboscada". Esses motivos podem aumentar a pena do acusado em caso de condenação.

As vítimas abriram uma clínica de atendimento odontológico na mesma rua onde Graça tinha a própria unidade. A instalação de uma nova clínica teria levado à diminuição de clientela e ao fechamento do empreendimento do acusado.

O primeiro crime aconteceu em dezembro de 2014. O empresário Agilson Corrêa de Carvalho, de 54 anos, foi morto com um tiro na cabeça quando saía de uma filial da clínica no bairro Gonzaga, em Santos. Após a morte de Carvalho, dois irmãos e um sobrinho da vítima passaram a administrar a clínica odontológica.

"Não satisfeito com o fato de a empresa concorrente continuar com suas atividades, Graça decidiu, então, matar também os familiares de sua primeira vítima", relata a Promotoria. 

Ex-funcionária. Em julho do ano passado, o MP-SP diz que o acusado preparou uma emboscada, usando uma peruca black power como disfarce. O dentista atirou contra os três novos administradores da clínica. Aldacy Corrêa de Carvalho, irmão da primeira vítima, morreu na hora. 

O outro irmão, Arnaldo Corrêa de Carvalho, passou quatro meses internado e morreu. Já o sobrinho da primeira vítima, Alex Macedo de Carvalho, foi baleado de raspão no rosto, conseguiu fugir se abrigando no interior de um táxi.

A terceira ocorrência aconteceu em setembro de 2015, quando o dentista resolveu se vingar de uma ex-funcionária, que passou a trabalhar na Clínica Americana. Sônia Cristina Saboya, de 40 anos, usava bicicleta para se locomover até o local de trabalho. 

Usando uma peruca loira, Graça ficou de tocaia e surpreendeu Sônia, efetuando vários disparos contra ela e fugindo em seguida. Atingida no tórax e nos braços, a vítima foi socorrida e sobreviveu.

Foragido. Graça chegou a ser considerado foragido ao ter a prisão temporária decretada.

Na época, a polícia encontrou na residência do então suspeito, velas e livros sobre bruxaria e magia negra. Na casa da mãe dele, os agentes encontraram um tênis semelhante ao usado em um dos crimes.

Mais conteúdo sobre:
SantosJustiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.