Congonhas tem vôos suspensos por conta de nevoeiro

Sobrecarga na malha aérea desvia vôos com destino ao aeroporto, que ficou fechado pela manhã

Anne Warth, da Agência Estado, e Camilla Rigi e Tâ,

20 de julho de 2007 | 11h51

Segundo informações da Aeronáutica, o Centro Gerenciamento de Navegação Aérea (CGNA), todos os vôos com destino ao Aeroporto de Congonhas foram suspensos entre 11h30 e 13 horas desta sexta-feira, 20. A suspensão foi feita pois o tráfego aéreo foi sobrecarregado, já que Congonhas ficou fechado na manhã desta sexta por conta do forte nevoeiro que cobriu a zona sul da capital paulista durante a manhã.  Os vôos que já estavam em curso foram desviados para outros aeroportos. A retomada dos vôos em Congonhas, no entanto, poderia ser antecipada, segundo fontes ligadas à Aeronáutica. A Aeronáutica, com a suspensão dos pousos em Congonhas, pretendia liberar uma "janela" de pelo menos meia hora para permitir que os aviões transferidos para os aeroportos de Cumbica e Campinas, mas que têm passageiros esperando em Congonhas para embarcar, possam pousar em Congonhas. No começo da tarde, a Aeronáutica começaria a liberar as decolagens dos vôos controlados pelo Cindacta-3, no Recife, Cindacta-4, em Manaus, com destino a São Paulo. A previsão era que, depois das 13 horas, a Aeronáutica liberasse os vôos do Cindacta-1, em Brasília, e do Cindacta-2, em Curitiba, para Congonhas. Atrasos O último boletim da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), divulgado às 10 horas, informava que das 78 partidas programadas no Aeroporto de Congonhas, 30 foram canceladas e oito tiveram atrasos superiores a uma hora.  Até as 9h28 desta manhã, devido ao forte nevoeiro, o aeroporto estava operando com auxílio de instrumentos para pousos. Neste período, ficou ao critério de cada comandante realizar ou não pousos no aeroporto.  Todos os pilotos decidiram pousar em outros aeroportos, sendo que 10 decidiram aterrissar em Guarulhos, seis no aeroporto de Viracopos, em Campinas, e um decidiu voltar ao Rio de Janeiro, de onde o vôo havia saído. Às 9h29, houve melhora do teto, e às 9h47 foi realizado o primeiro pouso em Congonhas, da Companhia aérea TAM, procedente de Porto Alegre. No final desta manhã, o aeroporto operava apenas com a pista auxiliar. A pista principal, por onde passou a aeronave da TAM que se chocou com o edifício da TAM Express na última terça-feira, permanece fechada.  Apesar do superintendente de Empreendimento de Engenharia da Infraero, Armando Schneider Filho, ter garantido que a pista principal voltaria a funcionar, não há qualquer previsão de quando a ela será reaberta. Os balcões de check-in da BRA e Ocean Air informam também que todos os vôos previstos para decolar de Congonhas desde quinta-feira até domingo foram transferidos para Guarulhos, até segunda ordem. O comunicado alega que o motivo são "problemas operacionais". Questionada pela reportagem, uma das atendentes explicou que a diretoria da BRA tomou a decisão por precaução, já que considera a pista auxiliar muito pequena para operar os vôos da companhia. Segundo ela, a partir de segunda-feira, com a perspectiva de abertura da pista principal, os vôos devem voltar a operar normalmente em Congonhas. Uma das atendentes da Ocean Air também alega que a diretoria tomou a decisão por medida de segurança, mas que já na segunda-feira os vôos devem voltar a decolar normalmente por Congonhas. Texto alterado às 14h03 para acréscimo de informações.

Mais conteúdo sobre:
crise aéreaCongonhasvôo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.