Congonhas tem 34,6% dos vôos programados cancelados

Pista principal do aeroporto foi reaberta e, cinco minutos depois, foi fechada novamente

Fabiana Marchezi, do estadao.com.br,

27 de julho de 2007 | 14h56

Dez dias depois do caos aéreo que tomou conta dos aeroportos brasileiros, ainda há problema nas operações aéreas do País. O Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, registrou, no início da tarde desta sexta-feira, 27, cancelamentos em 34,6% dos 138 vôos programados. Ao todo, 47 operações foram suspensas.   Veja também: Lista de vítimas ds identificadas  O local do acidente  Quem são as vítimas do vôo 3054  Histórias das vítimas do acidente da TAM  Galeria de fotos  Opine: o que deve ser feito com Congonhas?  Cronologia da crise aérea  Acidentes em Congonhas  Vídeos do acidente  Tudo sobre o acidente do vôo 3054   Ao meio-dia, a pista principal do Aeroporto de Congonhas foi reaberta. No entanto, cinco minutos depois a torre de controle do aeroporto resolveu determinar o fechamento da pista novamente, porque a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) não havia sido avisada da liberação e não havia pedido a autorização à Aeronáutica para voltar a operar na pista.   De acordo com o último boletim divulgado pela Empresa Brasileira de Infra Estrutura Aeroportuária (Infraero), no País a situação começava a melhorar. Apenas 11,21% dos vôos programados até as 14h30 atrasaram e 12,35% foram cancelados. Os percentuais indicam que das 1.053 operações previstas, 118 sofreram atrasos superiores a uma hora e 130 foram canceladas.   A situação está um pouco mais calma no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos. Dos 126 vôos previstos, 29 tiveram atrasos superiores a uma hora e quatro foram suspensos.   No Aeroporto Galeão, no Rio de Janeiro, foram contabilizados atrasos em 18 das 99 operações programadas. Outros 14 vôos foram cancelados. Já no Aeroporto de Brasília, no Distrito Federal, 12 dos 75 vôos previstos operaram fora do horário e três foram cancelados.

Tudo o que sabemos sobre:
vôo 3054crise aérea

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.