Dilson Silva/Agnews
Dilson Silva/Agnews

Confusões marcam 'Crepúsculo' no Rio

Em filmagem na Lapa, moradores reclamaram de ter de comprovar residência e banheiros químicos foram incendiados em protesto; ladrões aproveitaram aglomeração causada por astros teens para agir

Pedro Dantas / RIO, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2010 | 00h00

Protestos de moradores e comerciantes - que até incendiaram banheiros químicos - contra a interdição de ruas e o fechamento de lojas formaram um cenário inesperado para as filmagens de Amanhecer, quarto filme da saga vampiresca adolescente Crepúsculo, nas ruas da Lapa, bairro boêmio do Rio, na madrugada de ontem.

Manifestantes reclamavam de não ter sido avisados de que teriam de apresentar comprovante de residência para voltar a suas casas. Os comerciantes criticavam a quantia de apenas R$ 100 que receberam da produção pela noite de trabalho perdida. Ladrões também contribuíram para a confusão: eles aproveitaram a aglomeração para agir, o que normalmente acontece ali.

Cerca de 350 figurantes participaram das filmagens. O cenário tentava reproduzir uma noite na Lapa, com o casal protagonista (o vampiro Edward Cullen, interpretado por Robert Pattinson, e Bella Swan, papel de Kristen Stewart) em uma roda de samba. Os astros chegaram por volta de meia-noite em dois carros Range Rover blindados e escoltados por duas viaturas da Polícia Militar. Fãs e moradores ocuparam marquises e sacadas para acompanhar os trabalhos. À noite, o Batalhão de Choque foi chamado por causa do excesso de gente e furtos. Uma figurante alcoolizada foi retirada do set. As gravações acabaram por volta das 6h.

"Estamos nos sentindo seguros e protegidos aqui. As filmagens ocorreram sem problemas. Optamos por filmar na Lapa, pois não queríamos um lugar já excessivamente filmado e o objetivo era captar o incrível espírito das ruas do Rio", disse o cineasta Bill Condon, em entrevista coletiva ontem, tentando minimizar os incidentes.

O diretor-presidente da RioFilme, Sérgio Sá Leitão, ressaltou que a equipe de filmagem não teve nenhum conhecimento dos incidentes. "Os moradores e comerciantes foram contatados com antecedência e demonstraram grande apoio. Algumas pessoas esqueceram de portar os comprovantes e não foram autorizadas a circular no set de filmagem. Os banheiros químicos pegaram fogo às 15h15 e a filmagem começou às 23h (de domingo)."

Paraty. Após a madrugada de filmagens conturbadas, a equipe seguiu ontem para uma mansão em um condomínio fechado no Saco de Mamanguá, em Paraty, área de proteção ambiental no litoral sul fluminense. Os produtores brasileiros do filme garantiram que todos os cuidados estão sendo tomados para preservar o local.

"Não vamos utilizar explosivos nem fogo e temos a autorização do Instituto Estadual do Ambiente", disse Isabelle Tanugi, da produtora Zohar Cinema. Segundo ela, a equipe instalou três geradores a diesel em balsas e banheiros químicos em barcos, monitorados por bombeiros, para evitar dano ambiental. Não foi divulgado quanto tempo a equipe ficará no local, mas não deve ultrapassar uma semana.

O Rio será o cenário para apenas cinco minutos da trama na qual o casal vai passar a lua de mel na cidade e Bella engravida. Nos livros da escritora americana Stephenie Meyer, que deram origem aos filmes, o Rio não aparece. Após o casamento nos Estados Unidos, o casal chega ao Brasil e segue direto para uma ilha isolada no litoral fluminense.

De acordo com a RioFilme, as duas megaproduções americanas filmadas no Rio na última semana (a outra foi Velozes e Furiosos 5) representaram um aporte de US$ 5 milhões para a cidade no pagamento aos produtores locais, hotéis e demais prestadores de serviço. "É impossível projetar o retorno para a promoção da cidade com as notícias veiculadas no exterior sobre o Rio abrigar essas duas produções", afirmou Sá Leitão.

Os dados da RioFilme apontam que 56,5% das produções estrangeiras filmadas no País no ano passado tiveram a capital fluminense como locação. No segundo semestre de 2009, a cidade recebeu 42 produções estrangeiras. No primeiro semestre de 2010, esse número subiu para 54.P

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.