Confronto faz Metrô fechar estação na Sé

Além do Terminal Parque Dom Pedro II, a Praça da Sé foi outro ponto de confronto entre a Tropa de Choque e os manifestantes. Perto das 20h45, o protesto se dividiu em vários grupos e, enquanto a Polícia Militar fazia um pente-fino na região central da cidade, um deles se dirigiu ao marco zero.

Artur Rodrigues, Bruno Ribeiro e Laura Maia, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2013 | 02h03

Manifestantes sentados na escadaria foram surpreendidos pela chegada da Tropa de Choque, que lançou bombas de gás. Houve corre-corre e confusão. Rapidamente os pontos de ônibus ficaram vazios e a estação Sé do Metrô foi fechada. Houve ataque a lojas, e lixo foi espalhado pelas ruas.

Por volta das 21h, a Avenida do Estado foi bloqueada, e a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) solicitou aos motoristas que evitassem transitar pelo local e pela Avenida Rangel Pestana e Viaduto Diário Popular.

Percurso. O trajeto original acertado pelo MPL com a PM era sair do Teatro Municipal, passar pelo Largo do Paiçandu, Avenida 23 de Maio e terminar o protesto na Praça da Sé. No Largo do Paiçandu, os manifestantes foram aplaudidos por moradores sem-teto que ocupam um prédio na região.

A decisão de seguir para o Termina Parque Dom Pedro II, em vez de ir para a Sé e encerrar o ato, foi tomada quando os manifestantes estavam no Viaduto Dona Paulina.

Uma parte do grupo desceu a Rua 15 de Novembro e então ocorreu a invasão do terminal.

Mais conteúdo sobre:
Protestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.