Condepe quer saber por que local do crime não foi lacrado

Corregedoria das polícias Civil e Militar prestarão esclarecimento sobre o caso Isabella Nardoni

Solange Spigliatti - estadao.com.br,

07 de maio de 2008 | 15h30

A Corregedoria das polícias Civil e Militar deve prestar esclarecimentos ao Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe), por conta de uma representação feita pelo órgão no último dia 28 de abril. Segundo a Ouvidoria da Polícia do Estado de São Paulo, o Condepe solicitou informações sobre qual teria sido o motivo para que o local onde ocorreu o assassinato de Isabella Oliveira Nardoni, de 5 anos, no dia 29 de março, não foi lacrado para a realização de perícias. De acordo com a Ouvidoria, o imóvel deveria ter permanecido fechado para que houvesse a preservação do local, inclusive dos possíveis caminhos feitos pelos assassinos, e não ter sido lacrado apenas no primeiro momento após o crime, quando policias entraram no apartamento em busca de provas. O Conselho teme que o apartamento do crime tenha sido "contaminado" pela presença de policiais ou até de familiares de Nardoni, já que o pai e a irmã de Alexandre entraram no imóvel, em dias diferentes depois do crime, para retirar roupas e objetos pessoais. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.