Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Condenado por morte da filha, Nardoni deixa prisão em Dia dos Pais

Alexandre Nardoni tem primeira 'saidinha' desde que foi preso pelo morte da filha Isabella Nardoni, de 5 anos

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de agosto de 2019 | 19h22

SÃO PAULO - Condenado a 30 anos de prisão pelo assassinato da própria filha, Isabella Nardoni, o bacharel em direito Alexandre Nardoni deixou o presídio na manhã desta quinta-feira, 8, para a saída temporária de Dia dos Pais. Esta é a primeira "saidinha", como o benefício é chamado, desde que ele foi preso em 2008.

Recolhido na P2 de Tremembé, unidade prisional conhecida por abrigar "celebridades" do noticiário policial, Nardoni progrediu para o regime semiaberto em abril. Além de ter direito a saídas temporárias, ele também pode trabalhar fora do presídio e só voltar à noite.

Até hoje, Nardoni nega ser o autor do assassinato da filha. Isabella Nardoni tinha 5 anos quando foi atirada do 6.º andar do Edifício London, na Vila Guilherme, zona norte de São Paulo.

Anna Carolina Jatobá, mulher de Nardoni e madrasta da menina, também foi condenada a 26 anos de prisão pelo homicídio, mas também nega participação. Ela progrediu para o regime semiaberto mais cedo, em 2017.

 

Para ter direito à "saidinha", o detento precisa preencher uma série de requisitos, entre eles apresentar bom comportamento na prisão. A P2 de Tremembé concentra presos de casos com grande repercussão, entre eles Gil Rugai, Cristian Cravinhos e Mizael Bispo. 

Em nota, a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) afirma que não pode dar informações sobre "saída temporária individual de reeducando, por questão de segurança".

No Twitter, o presidente Jair Bolsonaro criticou o benefício a Nardoni. "Hoje o pai, condenado pelo assassinato, é beneficiado pela saída temporária de dia dos pais", postou. "Uma grave ofensa contra todos os brasileiros. Lamentável!"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.