Condenado no caso João Hélio é preso

Ele estava em um carro roubado com drogas e teria tentado subornar policiais; morte do garoto em 2007 chocou o País

FÁBIO GRELLET / RIO, O Estado de S.Paulo

21 Março 2012 | 03h01

Ezequiel Toledo da Silva, de 21 anos, um dos quatro condenados pela morte de João Hélio Fernandes Vieites, de 6 anos, em 2007, foi preso novamente ontem de manhã. Ele foi um dos três detidos pela Polícia Militar em um carro roubado portando drogas e um revólver em Iguaba Grande, na Região dos Lagos fluminense.

Em fevereiro de 2007, João Hélio estava no carro com a mãe em Madureira, na zona norte do Rio, quando quatro homens renderam a mulher para roubar o carro. O menino tentou sair do veículo, mas ficou preso pelo cinto de segurança. Foi arrastado por sete quilômetros e morreu.

Ezequiel foi detido pouco depois do crime. Ele tinha 16 anos e cumpriu três anos de internação em um abrigo para adolescentes infratores. Em 2010, passou para o regime de semiliberdade. Em abril de 2011, recebeu o benefício da liberdade assistida e deixou de frequentar o abrigo.

Ontem, segundo a Polícia Civil, Ezequiel foi preso com sua mulher, de 20 anos, e outro rapaz. Para não ser preso, ele tentou subornar os policiais oferecendo a eles um carro, uma moto e dinheiro, conforme a Polícia Militar.

O trio foi autuado em flagrante por tráfico de drogas, associação para o tráfico, posse ilegal de arma de fogo, corrupção ativa e receptação. Depois que completou 18 anos, Ezequiel ainda não tinha registrado passagens pela polícia.

Marcante. A morte do menino João Hélio causou comoção até entre policiais. O sargento do 9.º Batalhão que achou o carro roubado e logo em seguida abandonado pelos ladrões em Cascadura ficou tão emocionado que não conseguiu reportar a ocorrência pelo rádio. O Disque-Denúncia recebeu 24 telefonemas e anunciou recompensa de R$ 2 mil. Pessoas telefonaram e se ofereceram para pagar a recompensa e o valor subiu para R$ 4 mil.

Um dia depois do crime, denúncia anônima levou a polícia a efetuar a primeira prisão de um acusado do caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.