Condenado homem por incêndio em prédio de jornal de Marília

Edifício do 'Diário de Marília' e de duas estações do grupo foi incendiado em 2005; outros três já cumprem pena

Jair Aceituno, especial para O Estado de S.Paulo,

15 de abril de 2008 | 16h38

Anderson Ricardo Lopes, de 27 anos, o quarto envolvido na invasão e incêndio do prédio do jornal Diário de Marília e das duas estações de rádio do grupo, foi condenado nesta terça-feira, 15, a 13 anos e 4 meses de prisão. Pelo crime, ocorrido em setembro de 2005, já cumprem penas Bruno Coércio, Amarildo Babosa e Amauri Campoy. O juiz José Roberto Nogueira do Nascimento, da 3ª Vara Criminal de Marilia, aplicou a sentença pela invasão e incêndio do jornal, a exemplo do ocorrido com os outros réus, mas o advogado da empresa e o promotor público já anunciaram que vão recorrer para também condenar pelo roubo do dinheiro que havia no bolso do vigia do prédio incendiado. Coércio, Barbosa e Campoy tiveram a pena aumentada em seis meses por conta de recurso ao Tribunal de Justiça do Estado, que também os condenou por roubo e colocação da vida do vigia em risco. O atentado ao jornal tem conotações políticas. Em setembro passado o Supremo Tribunal Federal mandou investigar a possível participação do ex-prefeito e deputado federal Abelado Camarinha (PSB-SP) como possível mandante. Os condenados são ligados ao seu grupo político.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.