Condenado ex-policial que matou ladrão do BC

Sérgio dos Santos ainda é acusado de sequestrar bandido; família chegou a pagar resgate de R$ 2,2 milhões

CIDA ALVES , ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2011 | 03h04

A 3.ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) condenou a 24 anos de prisão o ex-policial civil Sérgio Antonio dos Santos. Ele é acusado de sequestrar e matar, em outubro de 2005, Luís Fernando Ribeiro, o Fê, financiador do assalto ao Banco Central de Fortaleza, em agosto do mesmo ano.

Os desembargadores também determinaram a imediata execução de um mandado de prisão contra Santos, que saiu anteontem do tribunal para a cadeia. A defesa do acusado já protocolou no Superior Tribunal de Justiça (STJ) um pedido de habeas corpus para que o réu aguarde em liberdade o julgamento dos recursos que serão apresentados à última instância.

Santos havia sido absolvido em primeira instância, juntamente com os outros dois acusados do crime, o também ex-policial civil Alessandro Nunes Pereira e o empresário Marco Aurélio Gomes. O TJ-SP manteve a absolvição de Nunes e Gomes. O quarto acusado, o advogado Roberto Ribeiro, acabou morto em dezembro de 2009.

Em 9 de outubro de 2005, o corpo de Luís Fernando foi encontrado com sinais de tortura em Camanducaia (MG). Na madrugada do dia anterior, ele havia sido sequestrado em Pinheiros, zona oeste de São Paulo, por dois homens armados que se diziam policiais federais. A família pagou resgate de R$ 2,2 milhões, mas Luís Fernando acabou assassinado. Outros ladrões da quadrilha denunciaram a extorsão.

Assalto. Em 2005, foram levados 164 milhões do cofre do BC sem que fosse preciso sequestrar um único funcionário nem fazer nenhum disparo. O dinheiro foi levado por um túnel de 78 metros de extensão com iluminação interna e ar-condicionado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.