Concurso sugere demolir o Terminal Bandeira

Projeto vencedor no Secovi prevê remodelação de praça; não estão previstos valores nem plano para execução

Vitor Hugo Brandalise, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2011 | 03h04

 O Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo (Secovi-SP) vai enviar à Prefeitura projeto de reestruturação total da Praça da Bandeira, no centro da capital. O plano prevê demolição do terminal de ônibus e do Viaduto Doutor Plínio de Queirós e construção de vias subterrâneas para melhorar o acesso à área. A proposta é resultado de concurso, cujo resultado foi divulgado ontem.

"O objetivo é trazer uma nova configuração a uma área de difícil acesso no centro, criada como ligação a vias importantes como as Avenidas 9 de Julho e 23 de Maio, mas que foi transformada em um grande terminal de ônibus", disse o diretor do Secovi, Eduardo Della Manna.

Com foco em "transporte sustentável", o projeto escolhido prevê vias subterrâneas que partem da Radial Leste perto da Praça Roosevelt e vão até a Avenida Tiradentes, passando pelo centro, com ligações na Praça das Bandeiras e no Vale do Anhangabaú. "A ligação facilitaria o acesso a pontos importantes, como a Câmara Municipal, o Teatro Municipal e o Largo de São Francisco. E a Praça das Bandeiras voltaria a ser área de convívio, sem o terminal", disse Della Manna.

No lugar do terminal de ônibus, haveria pequenos pontos perto de estações do metrô. O projeto também prevê ciclovias no trajeto da Praça das Bandeiras até a Avenida Tiradentes. "Será a recuperação de um sistema de tráfego que originalmente partia de Santana, na zona norte, e seguia até o Ibirapuera, na zona sul, com o centro na Praça das Bandeiras, mas que hoje ficou totalmente fragmentado", disse o arquiteto José Paulo de Bem, que desenvolveu o projeto vencedor junto com as arquitetas Cássia Mariano e Fernanda Haddad.

O projeto do trio prevê incentivo à construção de dez torres comerciais de 20 a 35 andares ao longo da Avenida 23 de Maio. "Ainda há grandes áreas vazias ao longo da avenida", disse.

O projeto será encaminhado hoje ao secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano, Miguel Bucalem, que participou do júri do concurso. Na proposta vencedora não estão previstos valores nem plano detalhado para executar as obras viárias. "É um concurso de ideias. Se for possível aproveitá-las, tanto melhor", justifica Della Manna.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.