Concessionária faz revisão e evita mudança; sindicato ameaça greve

As principais concessionárias que atuam no serviço público municipal escaparam da mudança depois de aceitarem revisar seus contratos e reduzir parte dos custos. A revisão foi determinada pelo prefeito Fernando Haddad (PT), com a meta de cortar até 20%. É o caso da Soma e da Loga, que fazem a varrição das ruas de São Paulo, e da Ecourbis e da Loga, responsáveis pela coleta de lixo.

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

02 de janeiro de 2014 | 02h05

A Secretaria de Serviços ressalta, por outro lado, que neste caso a Prefeitura não poderá prorrogar contratos vigentes, ficando obrigada a promover nova licitação.

Presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Prestação de Serviços de Asseio e Conservação e Limpeza Urbana de São Paulo (Siemaco), José Moacyr Pereira afirma que a regra determinada pela Prefeitura não funciona para todos os contratos. "Nos serviços de coleta de lixo e varrição, o pagamento de funcionários representa 80 a 85% dos custos. Neste ano, conseguimos um aumento real aos trabalhadores de 9,5%, cerca de 3% a mais do que a inflação. Por isso, o índice de reajuste previsto não pode se limitar à correção apenas."

Pereira diz que, se a fórmula mudar no próximo ano, a Prefeitura correrá o risco de ver os serviços paralisados. "É greve na certa. Nosso sindicato luta para dar ganho real ao trabalhador. Vamos à Justiça do Trabalho, se necessário, em busca de um reequilíbrio financeiro. Não aceitamos só a inflação", afirma. Segundo ele, "não é possível colocar todos os contratos no mesmo bolo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.