Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Concessão de parques visa a melhorar manutenção, diz Alckmin

Governador negou que processo seja uma 'privatização'; modelo de investimento privado por prazo determinado ainda será definido

Victor Aguiar, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2016 | 16h02

SÃO PAULO - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta quarta-feira, 8, que o governo pretende fazer uma concessão por tempo determinado dos parques estaduais, mas negou que o processo seja uma privatização. "Não serão privatizados. Privatização é quando vendemos um bem", disse Alckmin, durante conversa com jornalistas no 27º Congresso Brasileiro do Aço, em São Paulo. "O que pretendemos é fazer uma concessão por tempo determinado, trazer um parceiro privado para melhorar questões de manutenção, guarda, preservação e utilização, por exemplo".

Nesta terça-feira, 7, a Assembleia Legislativa de São Paulo aprovou projeto de lei que autoriza a concessão de 25 parques públicos do Estado à iniciativa privada. Pelo texto, ficam autorizados, por 30 anos, o uso para ecoturismo e a exploração comercial madeireira ou de subprodutos florestais.

Questionado sobre o modelo de concessão, Alckmin afirmou que não há decisão nesse sentido. "Podemos ter um modelo de concessão por prazo determinado ou uma PPP. O objetivo é trazer o investimento privado", disse. O governador ainda afirmou que não há um cronograma definido, e que a avaliação de cada parque será feita individualmente.

Chuvas. Durante a conversa com jornalistas, Alckmin não descartou a possibilidade de abertura das comportas da represa Paiva Castro em função das fortes chuvas que atingem o Estado. No entanto, o governador disse acreditar que a abertura não será necessária.

"Tudo indica que não vai ser necessário, mas, por precaução, foi feito um trabalho com municípios, como Franco da Rocha e outros, para que estejam preparados para um aumento no nível dos rios", disse. "Tudo indica que o risco está superado, mas a atenção vai ser mantida".

Quanto às cidades que sofreram danos em função das fortes chuvas e ventos, como a de Jarinu, Alckmin afirmou que a reconstrução contará com a ajuda do governo estadual. "O governo vai participar e ajudar com a reconstrução de imóveis públicos e, para os imóveis privados, vamos abrir crédito da agência Desenvolve SP", destacou.

"Várias medidas estão sendo tomadas, em todas as cidades, com a presença da defesa civil". Segundo Alckmin, a abertura da linha de crédito pode ser estendida para outras cidades que eventualmente também sofram danos extensos por causa das chuvas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.