Comunicação entre Detrans não funciona

O presidente da Associação Brasileira de Controle Eletrônico do Tráfego, Sílvio Médici, afirma que o grande problema das infrações de trânsito captadas pelos radares está nos Departamentos Estaduais de Trânsito (Detrans) da federação. "Os órgãos não têm comunicação entre si, não têm com departamentos federais." Dessa forma, os sistemas de fiscalização não encontram o cadastro da placa do carro que cometeu a infração. Por isso, a multa não é enviada.

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

15 Julho 2013 | 02h07

"Os radares, hoje, têm câmeras potentes, com infravermelho, que funcionam até a noite e não borram a imagem. É difícil não conseguir leitura de uma placa quando um radar capta uma infração", afirma. "Só se o sujeito dobra a placa, se o carro está sem (a câmera não obtém a imagem). Mas isso é a exceção, a maioria dos carros não circula assim", diz ele.

Na cidade de São Paulo, por exemplo, cerca de 13% das multas são descartadas, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Mas isso ocorre, segundo o órgão, justamente por causa da inconsistência de dados cadastrais de algumas das placas fotografadas pelos radares. Os números absolutos da capital paulista mostram porcentual diferente das rodovias federais quando há comparação entre as infrações flagradas e as multas enviadas aos motoristas. Em 2012, 7,4 milhões de infrações foram registradas e 1,1 milhão não foram enviadas - por causa da inconsistência de dados, segundo a CET.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.