Computadores 'pilotam' sala de comando da linha amarela

Central na Vila Sônia recebe dados online sobre consumo de energia elétrica, funcionamento do sistema de freios, tração e até ar condicionado

Eduardo Reina, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2010 | 00h00

Andar em um trem de metrô sem condutor, como o existente na Linha 4-Amarela de São Paulo, é o mesmo que viajar em um avião no piloto automático. Computadores comandam tudo. A diferença é que no avião os controles ficam no computador ao lado do piloto. Nos trens, o controle é feito de modo remoto, direto do Centro de Controle Operacional (CCO), localizado no pátio Vila Sônia, zona oeste da capital.

O envio de dados das composições em operação para o CCO é igual à telemetria dos carros de Fórmula 1, com dados online sobre consumo de energia elétrica, funcionamento do sistema de freios, tração e até ar condicionado. A automatização torna as operações precisas e rápidas.

"É o mesmo modelo de funcionamento do transponder do avião. Antenas estão colocadas em todo o túnel. É informada a localização do trem, velocidade, o abre e fecha das portas da composição e das portas de plataforma nas estações", explica Luís Valença, presidente da ViaQuatro, concessionária da linha.

Com um toque no mouse, o operador no CCO pode mudar a velocidade do trem, manter a composição mais tempo na plataforma, segurar a porta de plataforma aberta ou inserir mais um carro no sistema se a demanda de passageiros pedir.

Para garantir que não haja problema, os principais sistemas - alimentação de energia, operação do trem, controle de frenagem e de velocidade, entre outros - possuem um reserva que, em caso de falha, entra em funcionamento instantaneamente.

A automação do sistema, segundo o consultor em Transportes Peter Alouche, sempre existiu em São Paulo. "Em 1974, a Linha 1-Azul, já entrou em operação com o automatic train operator. O condutor no carro só abre e fecha as portas nas estações. O restante é feito por comandos do CCO (nos horários de pico)", conta.

O novo sistema de comunicação via rádio utilizado na Linha 4-Amarela permitirá, quando todas as 11 estações estiverem em operação em 2012, que o tempo de partidas dos trens nas estações chegue a 75 segundos. Hoje, o recorde é de 101 segundos, na Linha 3-Vermelha. O recorde de menor intervalo é do metrô de Moscou, com 90 segundos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.