Complexo do Alemão: general quer a PM fixa em morros

Para comandante, Adeus e Baiana deveriam ter policiamento definitivo; áreas serviram de base de ataque para traficantes

Tiago Rogero / RIO, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2011 | 00h00

O comandante da Força de Pacificação do Complexo do Alemão, general César Leme Justo, defendeu ontem policiamento definitivo nos Morros do Adeus e Baiana, invadidos por traficantes na noite de terça-feira. Ambos estão ocupados provisoriamente pela Polícia Militar. Deputados estaduais da Comissão de Segurança Pública estiveram no local e vão cobrar providências da Secretaria de Segurança.

"Quando há necessidade, nossa Polícia Militar ocupa de imediato essas duas comunidades. Nesta semana, houve a necessidade e prontamente a Secretaria de Segurança Pública o fez", disse o general Leme Justo. "Na minha opinião, acho que seria interessante ocupar essas duas áreas. Se houver necessidade, elas serão", completou.

Segundo o general, a decisão de não ocupar os dois morros foi tomada pelo Exército e pela Secretaria de Segurança no momento da ocupação do Complexo do Alemão. Ontem, no terceiro dia depois do tiroteio que assustou moradores e comerciantes, o esquema intenso de revista a todos que entravam ou saíam da comunidade foi reduzido. Embora o policiamento ainda esteja reforçado, somente pessoas consideradas com "comportamento suspeito" estão sendo revistadas.

"Não podemos fazer a revista durante todo o tempo. Caso contrário, a comunidade não circula, interfere no direito de ir e vir de cada um. Por isso, essas operações são eventuais", afirmou o general.

Na internet. Em vídeo transmitido ao vivo no Twitter, o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, disse que, mesmo após os conflitos desta semana, considera o Alemão um lugar seguro. "Não vamos sair de lá, é um caminho sem volta."

Manguinhos

Quatro acusados de tráfico foram presos durante uma operação da PM. Anteontem à noite, dois policiais foram baleados enquanto rebocavam um veículo blindado que quebrou na comunidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.