Complexo A. C. Camargo e cinco prédios de Rino Levi são tombados em SP

Complexo A. C. Camargo e cinco prédios de Rino Levi são tombados em SP

Arquiteto passa a ter ao menos 20 obras tombadas na cidade de São Paulo; novos imóveis preservados ficam na região central

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

14 Setembro 2018 | 11h34

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo homologou nesta sexta-feira, 14, o tombamento de seis obras do arquiteto modernista Rino Levi. A decisão envolve cinco edifícios localizados na Avenida São João, no centro, e o Complexo Hospitalar A. C. Camargo, no bairro da Liberdade, também na área central da cidade.

Os seis projetos são datados dos anos 40. Ao todo, o arquiteto passa a ter ao menos 20 imóveis tombados na capital paulista, parte deles também protegida em nível estadual.

A decisão foi tomada março pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp), que, no mesmo período, aprovou o tombamento de mais de 70 imóveis modernistas, como a atual sede da Fundação Maria Luisa e Oscar Americano. Dentre elas, estava também o Antigo Laboratório Paulista, igualmente projetado por Levi, localizado na zona norte da capital paulista.

Segundo o conselho, ainda faltava preservar exemplares da arquitetura hospitalar e residencial de Levi. Na resolução de tombamento, é ressaltado que ele foi titular de "um dos principais escritórios de arquitetura de São Paulo no século 20", o qual promoveu a "renovação e modernização na paisagem da cidade". 

"O ineditismo arquitetônico apresentado nas obras elencadas, advindas da pesquisa dos programas de necessidades aliada à introdução dos princípios da arquitetura moderna, adequando-os à realidade paulistana daqueles anos, influenciando a produção arquitetônica daqueles anos e promovendo uma transformação na paisagem urbana paulistana", diz o texto.

Com a decisão, o Conjunto Hospitalar A. C. Camargo deverá preservar o formato e o tamanho atual dos blocos, mantendo as características das escadas e da fachada, o que inclui os espaços vazios entre as edificações.

Dentre os novos prédios tombados, quatro deles são "gêmeos" e estão localizados lado a lado na esquina da Avenida São João com a Rua Apa. Batizados de Oswaldo Porchat, Reynaldo Porchat, Barro Branco e Doze de Outubro, têm uma loja no térreo e sete apartamentos, um por andar. Em todos, deverão ser preservadas as características externas e das áreas comuns.

O tombamento ainda recai sobre o Edifício Trussardi, que fica na esquina da Avenida São João com a Rua Vitória, em frente à Praça Julio Mesquita. O imóvel tem espaço para três lojas no térreo e doze pavimentos de apartamentos, que deverão ter os elementos externos originais preservados.

Com a decisão, qualquer intervenção nos imóveis, o que inclui manutenção e pequenos reparos, deverá ser submetida à prévia análise e manifestação do Departamento do Patrimônio Histórico (DPH) e do Conpresp. No terreno de todos os imóveis, são permitidas apenas construções com altura máxima igual à do bem tombado.

Em nota, o A. C. Camargo Cancer Center declarou que "reconhece a importância histórica do trabalho do arquiteto Rino Levi" e que "está avaliando o impacto da decisão".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.